Oli Scarff/AFP
Oli Scarff/AFP

Mesmo com Inglaterra na Copa, Wimbledon descarta mudar horário de final

Jogo da seleção inglesa na Rússia vai coincidir com uma das decisões do torneio de tênis

Estadão Conteúdo

09 Julho 2018 | 13h58

Apesar da boa campanha da seleção da Inglaterra na Copa do Mundo, o diretor de Wimbledon, Richard Lewis, reiterou nesta segunda-feira que não mudará os horários das finais do Grand Slam britânico, disputado em Londres. As decisões masculina e feminina podem coincidir com o horário do jogo da equipe inglesa de futebol ou na final da Copa ou na disputa do terceiro lugar.

+ Federer avança às quartas de final em Wimbledon e fica perto de quebrar recorde

+ Nadal arrasa checo e volta às quartas de final de Wimbledon após 7 anos

"Já dissemos várias vezes que a final [masculina] será disputada às 14 horas local, como acontece todos os anos", declarou Richard Lewis, diretor de Wimbledon, em entrevista à BBC. Ele vem reiterando a permanência das datas e horários das finais desde antes do início da competição. No entanto, a boa campanha inglesa na Copa aumentou os questionamentos sobre a coincidência de horários nos últimos dias.

É certo, portanto, que haverá choque de horários. Isso porque a seleção inglesa está classificada às semifinais do Mundial de Rússia. Assim, disputará mais duas partidas: a própria semifinal e a final ou a disputa do terceiro lugar.

Se perder para a Croácia, nesta quarta-feira, o time inglês jogará a partida que definirá o terceiro colocado da Copa no sábado, às 11 horas (de Brasília). No mesmo dia, a partir das 10 horas (também de Brasília), terá início a disputa da final feminina de Wimbledon, em Londres.

Caso os ingleses avancem à final do Mundial da Rússia, voltarão a campo no domingo, às 12 horas. E a final masculina de Wimbledon, que costuma ter duração de mais de duas horas, vai começar às 10 horas do mesmo dia. Assim, é possível que uma das duas finais de simples do Grand Slam britânico sofra com redução de audiência na TV britânica, no fim de semana.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.