Ministério cobra explicação da CBT

Sem poder para intervir na Confederação Brasileira de Tênis (CBT), em meio às denúncias de fraude da administração Nelson Nastás, o governo federal vai acionar o Ministério Público para investigar o caso, já que a entidade é alvo de inquérito na Polícia Civil de São Paulo. Nesta quinta-feira, o Ministério do Esporte solicitou ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) informações detalhadas sobre a aplicação, pela CBT, do dinheiro recebido por meio da Lei Agnelo-Piva, que repassa às entidades esportivas 2% da arrecadação das loterias federais.O Ministério do Esporte espera receber nesta sexta-feira os dados do COB e pretende repassá-los ao MP, a quem caberá então decidir quais as providências legais cabíveis, como pedir à Justiça a punição dos atuais dirigentes, a convocação de novas eleições ou uma intervenção na atual diretoria. Outra medida do Ministério do Esporte foi solicitar à própria CBT que se pronuncie sobre as denúncias. O presidente da entidade é acusado pela oposição, encabeçada pela Federação Catarinense de Tênis, de falsificar e ocultar documentos. No rastro da denúncia, os tenistas Gustavo Kuerten, Flávio Saretta, André Sá e vários outros desistiram de disputar a próxima etapa da Copa Davis, contra o Paraguai, em abril. O mesmo foi feito pelo então capitão da equipe, Jaime Oncins, que renunciou ao cargo.

Agencia Estado,

11 de março de 2004 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.