Glyn Kirk/AFP
Glyn Kirk/AFP

Motivado para 2021, Marcelo Melo inicia parceria com holandês Jean-Julien Rojer

Tenista está treinando em Belo Horizonte com o irmão e técnico, Daniel Melo, e com o preparador físico Chris Zogno

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2020 | 09h38

Após fazer dupla por quatro anos com o polonês Lukasz Kubot, o tenista brasileiro Marcelo Melo terá um novo parceiro a partir da temporada de 2021. Será o holandês Jean-Julien Rojer e o mineiro se disse empolgado e motivado para iniciar a nova parceria. Os dois já começaram a planejar o próximo ano com o calendário divulgado pela Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) para as primeiras semanas.

Após o final da temporada de 2020, Melo retornou para Belo Horizonte, onde vem treinando com o irmão e técnico, Daniel Melo, e com o preparador físico Chris Zogno. No ATP Finals, disputado em novembro em Londres, encerrou, com muita emoção, a dupla que formou com Kubot. Já Rojer jogava desde 2014 com o romeno Horia Tecau.

“Muito motivado com essa nova parceria. Conheço o Jean-Julien há bastante tempo. Ele também está extremamente motivado, feliz dessa parceria comigo. E acho que isso vai ser muito importante para termos boas chances de jogar bem. Contamos com um jogo sólido e espero que dê muito certo. Vamos fazer de tudo, treinar. Estamos bem empolgados”, explicou Melo.

Rojer também não escondeu a empolgação. “Primeiro de tudo, eu estou muito empolgado em jogar com o Marcelo. Ele é um dos melhores tenistas de duplas do mundo nos últimos 10 anos, talvez mais. Uma grande pessoa. Então, estou ansioso porque acredito que nosso estilo de jogo possa se dar bem junto. Marcelo é não só um amigo, como um dos melhores amigos que tenho no circuito. Será bem legal formar dupla com ele”, afirmou.

Melo e Rojer já jogaram juntos uma única vez. Foi em abril de 2016, no ATP 250 de Munique, na Alemanha. Com 29 títulos conquistados na carreira, entre os quais dois Grand Slam - Wimbledon, em 2015, e US Open, em 2017, ambos com Tecau -, o holandês, de 39 anos, encerrou a temporada na 25.ª colocação no ranking individual de duplas da ATP. Seu melhor posto foi o de número 3 do mundo, em 2015.

Melo aparece empatado com Kubot na 10.ª colocação, com 5.700 pontos. Esta é a oitava temporada seguida em que o brasileiro termina entre os Top 10. No ano passado foi sétimo. Em 2018, nono do mundo, foi primeiro em 2017 e em 2015, oitavo em 2016 e sexto colocado em 2013 e 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.