Manan Vatsyayana/AFP
Manan Vatsyayana/AFP

Murray bate Berdych de virada e vai à final do Aberto da Austrália

Escocês aguarda o vencedor do duelo entre entre o sérvio Novak Djokovic e o suíço Stan Wawrinka, marcado para esta sexta-feira

Estadão Conteúdo

29 de janeiro de 2015 | 10h36

O britânico Andy Murray venceu o checo Tomas Berdych por 3 sets a 1, de virada, com parciais de 6/7 (6/8), 6/0, 6/3 e 7/5, nesta quinta-feira, e garantiu vaga na final do Aberto da Austrália. Sexto cabeça de chave do primeiro Grand Slam da temporada, o tenista escocês agora apenas irá esperar pela definição do seu rival na final de domingo, o que acontecerá nesta sexta no duelo entre o sérvio Novak Djokovic e o suíço Stan Wawrinka, atual campeão.

Essa foi a quinta vitória de Murray em 11 confrontos com Berdych, quinto cabeça de chave em Melbourne e que tinha levado a melhor sobre o rival nos dois duelos anteriores entre os dois, nos Masters 1000 de Madri e Cincinnati de 2013. O britânico havia superado o checo pela última vez em 2012, na primeira fase do ATP Finals, em Londres, no torneio que reúne os melhores tenistas da temporada.

E Berdych chegou a dar a impressão de que poderia conquistar mais um triunfo sobre o adversário nesta quinta. No primeiro set, o mais disputado da partida, cada tenista conquistou uma quebra de saque e assim eles forçaram a disputa do tie-break, no qual o checo brilhou nos momentos decisivos para fazer 8/6.

A partir do segundo set, porém, Murray deu início a uma reação avassaladora. Ao aproveitar as três chances que teve de converter break points e confirmar todos os seus serviços, aplicou um "pneu" (6/0) em apenas 30 minutos para empatar o jogo.

Confiante, o britânico seguiu arrasador na terceira parcial. Sem oferecer chances de quebra ao rival, aproveitou uma de duas chances de ganhar games no serviço de Berdych para abrir vantagem e depois fechar em 6/3.

Sólido no saque, com o qual contabilizou 15 aces na partida, Murray ainda precisou salvar dois break points no quarto set, mas foi feliz na única chance que teve de ganhar um game no serviço do rival para abrir 6/5 e depois servir para fechar em 7/5. No fim, coroou sua bela atuação com um ponto de saque.

No fim, também pesou para Berdych o grande número de erros não-forçados que cometeu na partida. Foram 56 ao total, contra 39 de Murray. E o escocês ainda contabilizou 40 winners, diante de 37 bolas vencedoras do checo, que antes de cair diante do britânico surpreendeu ao arrasar o espanhol Rafael Nadal.

Essa será a oitava final de Grand Slam a ser disputada por Murray e a primeira desde quando derrotou Djokovic na decisão de Wimbledon de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.