Joe Toth / AFP
Joe Toth / AFP

Murray passa por cirurgia e prevê retorno em Wimbledon

Tenista de 30 anos diz ter certeza que voltará a competir em alto nível na carreira

Estadão Conteúdo

08 Janeiro 2018 | 12h46

O tenista escocês Andy Murray revelou nesta segunda-feira que se submeteu a uma cirurgia no quadril para tratar uma lesão que vinha impedindo seu retorno ao circuito nos últimos meses. O ex-número 1 do mundo, atual 19º, afirmou que deve retornar às quadras somente em Wimbledon, em julho.

+ Rogerinho ganha uma posição e Brasil volta a ter um Top 100 no ranking

+ Número 1 do mundo, Melo inicia temporada com vitória no Torneio de Sydney

"Eu fui submetido a uma cirurgia bem-sucedida no St Vincent Hospital, em Melbourne", disse Murray, que desistiu na semana passada de disputar o Aberto da Austrália. Após descartar o primeiro Grand Slam do ano, o britânico decidiu tomar uma decisão drástica para se recuperar de lesão quase crônica no quadril.

Na semana passada, ao desistir de competir em Brisbane, Murray fez um desabafo público nas redes sociais ao revelar suas dificuldades na recuperação de lesão no quadril que passou a lhe dar mais trabalho no meio do ano passado. Ele cogitara a possibilidade de fazer operação, mas não confirmara esta opção, anunciada somente nesta segunda.

"Não desisti de jogar tênis ainda. Vou voltar a competir em alto nível novamente", declarou o tenista, nesta segunda, em entrevista à BBC. "Estou muito otimista quanto ao futuro. O cirurgião ficou muito feliz com o resultado", declarou.

A lesão no quadril começou a atrapalhar o rendimento do tenista de 30 anos no início da temporada passada. Vindo de uma forte sequência de torneios, no fim de 2016, o que o levou ao topo do ranking, Murray demonstrou desgaste e decepcionou os fãs nos principais torneios. A situação se agravou em Wimbledon, quando foi eliminado nas quartas de final.

Ele chegou a tentar competir no US Open, mas desistiu de última hora. Na sequência, finalizou sua temporada de forma precoce para se concentrar no tratamento físico. No fim do ano, ele deu as primeiras indicações de que o tratamento não estava dando os resultados esperados, o que levaram à opção pela operação no quadril.

Após a cirurgia, Murray avisou que pretende mudar seu ritmo de jogo e seu calendário quando voltar ao circuito, em julgo. "Com certeza não vou jogar mais tantos torneios para tentar alcançar o topo do ranking. Serei mais seletivo ao escolher as competições, mesmo que eu faça um calendário mais conservador em comparação aos demais jogadores."

O escocês indicou que deve seguir o padrão de Roger Federer, que passou a priorizar os maiores torneios do circuito a partir do ano passado. "Terei um calendário reduzido. Vou focar mais nos maiores eventos e nos grandes torneios ao invés de buscar metas de ranking."

Mais conteúdo sobre:
tênis Andy Murray

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.