Tracey Neanmy/EFE
Tracey Neanmy/EFE

Murray pede 'transparência' após escândalo de corrupção

Tenista critica suposta manipulação de resultados no tênis

Estadão Conteúdo

19 de janeiro de 2016 | 10h37

Depois de estrear com vitória fácil sobre o alemão Alexander Zverev no Aberto da Austrália, Andy Murray pediu "transparência" ao comentar a revelação de um escândalo de corrupção no tênis que estourou na última segunda-feira. Publicada pela BBC e pelo site BuzzFeed News, ela expôs que torneios e partidas de elite da modalidade foram manipulados para garantir a apostadores milhões de dólares em lucros, envolvendo até mesmo competições do Grand Slam, como Wimbledon e o próprio Aberto da Austrália.

"Algumas das coisas que eu li ontem eu não sabia. Algumas, sim. Como jogador, você quer e merece saber tudo que está acontecendo. Parte disso será verdade, outra parte talvez não. Mas sempre fico curioso com essas coisas em todos os esportes. Acho que o esporte no geral podia ser muito mais transparente", afirmou o tenista britânico, atual vice-líder do ranking mundial, em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Para completar, Murray ainda criticou o fato de o Aberto da Austrália ter como um dos seus patrocinadores uma casa de apostas. "Acho um pouco hipócrita. Os jogadores não podem ser patrocinados por casas de apostas, mas os torneios podem. Não entendo como isso funciona. Acho meio estranho", ressaltou.

E, diferentemente do que admitiu Novak Djokovic na última segunda-feira, Murray negou que já tenha sido procurado por uma pessoa que tivesse tentado corrompê-lo com a intenção de manipular uma partida. Líder do ranking mundial, o sérvio afirmou que já lhe ofereceram US$ 200 mil para entregar um jogo, mas ele revelou ter recusado a proposta indecente, que chegou por meio de pessoas que trabalham com o tenista e lhe contaram sobre o assédio.

Ao comentar este tipo de assédio, Murray reconheceu que tenistas jovens podem ser seduzidos a participar de esquemas de manipulação quando assediados por apostadores criminosos. "Acho que é importante que desde jovens os jogadores sejam bem ensinados e instruídos sobre o que fazer nessas situações e como uma decisão dessa pode afetar sua carreira, além de todo o esporte", ressaltou o britânico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.