Javier Soriano / AFP
Javier Soriano / AFP

Murray volta a treinar 2 meses após cirurgia no quadril e sonha com Wimbledon

Dores na região atrapalhavam o escocês no circuito profissional há mais de dois anos

Redação, Estadão Conteúdo

02 de abril de 2019 | 10h10

O tenista escocês Andy Murray, de 31 anos, anunciou nesta terça-feira que voltou a treinar com bola pouco mais de dois meses depois de se submeter a uma cirurgia no quadril, a segunda no local, tendo implantado um metal na região apenas um ano após o seu primeiro procedimento na articulação, para acabar com uma lesão que o atrapalhava no circuito profissional há mais de dois anos.

O dono de três títulos de Grand Slam publicou um vídeo, nesta terça-feira, em suas redes sociais batendo bola em um paredão. As imagens têm um desenho de uma carinha de sorriso e uma frase como subtítulo: "É um começo".

O que não se sabe ainda é o que a cirurgia pode significar para o futuro de Murray no tênis. Antes do Aberto da Austrália deste ano, onde ele perdeu na primeira rodada, em 14 de janeiro, o escocês disse que planejava se aposentar em 2019, em Wimbledon, mas admitiu que o evento em Melbourne poderia ser o último da sua carreira. Como a recuperação parece ser boa, a sua participação no Grand Slam em Londres é o objetivo.

 

Murray fez história ao encerrar um jejum de 77 anos da Grã-Bretanha sem um título do torneio masculino de simples de Wimbledon em 2013. Ele também venceu o torneio em 2016, além de ter sido campeão do US Open em 2012. Na sua carreira, ainda faturou duas medalhas de ouro olímpicas em simples e uma Copa Davis, além de ter alcançado a liderança do ranking da ATP.

O britânico sofre com dores no quadril há anos e já realizou uma operação em janeiro de 2018. Mas isso não resolveu o problema. E após perder para o espanhol Roberto Bautista Agut no Aberto da Austrália, Murray indicou que decidiria rapidamente se faria uma nova cirurgia no quadril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.