Christopher Archambault / AFP
Christopher Archambault / AFP

Na busca pelo 21º Grand Slam, Nadal bate argentino e passa às semifinais em Paris

Espanhol vai enfrentar o vencedor do confronto entre Djokovic e o italiano Matteo Berrettini

Redação, Estadão Conteúdo

09 de junho de 2021 | 14h12

Atual número 3 do mundo, o espanhol Rafael Nadal está cada vez mais perto de conquistar o seu 21.º título de Grand Slam na carreira e se tornar o tenista com mais taças em torneios deste nível na história. Nesta quarta-feira, avançou às semifinais de Roland Garros, em Paris, ao derrotar o argentino Diego Schwartzman, 10.º colocado do ranking da ATP, por 3 sets a 1 - com parciais de 6/3, 4/6, 6/4 e 6/0, após 2 horas e 45 minutos.

Classificado para sua 14.ª semifinal em Paris, o espanhol amplia seu recorde de aparições nesta fase do torneio. O espanhol sempre terminou com o título quando chegou à penúltima rodada. Suas derrotas foram em 2009 (para o sueco Robin Soderling), nas oitavas de final, e em 2015 (para o sérvio Novak Djokovic), nas quartas. Em 2016 deu um W.O. na terceira rodada.

Seu próximo oponente sairá do duelo entre Djokovic e o italiano Matteo Berrettini. Nadal tem 28 vitórias e 29 derrotas contra o número 1 do mundo e um triunfo na única vez que cruzou com o tenista da Itália.

Em sua 62.ª aparição em Grand Slam, Nadal chega às semifinais pela 35.ª vez, marca que só o deixa atrás das por enquanto 39 de Djokovic e das 46 do recordista Roger Federer. O suíço fica cada vez mais perto de perder o seu recorde de títulos deste nível, já que agora o espanhol está apenas a duas vitórias de se tornar o homem com mais conquistas de simples.

Nadal não perdia um set em Roland Garros desde a final de 2019, quando venceu o austríaco Dominic Thiem em quatro parciais. Foram 36 sets seguidos vencidos no seu segundo maior recorde da carreira - ficou a dois de igualar a sua maior sequência e a cinco do recorde do sueco Bjorn Borg.

Apesar do susto de ter perdido um set, Nadal teve bons números ao final do jogo, terminando com 71% de aproveitamento com o saque e 46% nas devoluções. Ele ainda anotou mais bolas vencedoras do que Schwartzman (35 a 26) e conseguiu cometer menos erros não forçados que o argentino (29 a 39). Foi sua 11.ª vitória em 12 partidas contra o argentino, sendo a terceira em Roland Garros.

Nesta quarta-feira, ele jogou com público maior na quadra central, a Philippe Chatrier, diante da flexibilização do decreto na capital francesa para conter a disseminação do novo coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.