David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Na sua volta às quadras, Kim Clijsters conquista o US Open

Depois de dois anos e meio afastada, belga venceu Caroline Wozniacki e levou o último Grand Slam da temporada

André Avelar - estadao.com.br,

14 de setembro de 2009 | 00h01

Kim Clijsters coroou sua volta ao tênis mundial no melhor estilo possível. Depois de dois anos e meio longe das quadras, a belga conquistou o US Open, neste domingo, 13, ao superar a dinamarquesa Caroline Wozniacki por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/3. Essa foi a segunda vez que ela venceu o torneio disputado na quadra rápida de Flushing Meadows, em Nova York - também levou o título em 2005 e foi vice-campeã em 2003.

 

Veja também:

mais imagens Confira as imagens da decisão

especial US OPEN - Leia mais sobre o torneio

especial QUIZ - Responda às perguntas sobre o US Open

especial INFOGRÁFICO - Saiba tudo sobre o torneio

"Sequer tenho palavras para descrever este momento. Não sei dizer qual dos dois títulos foi o mais importante. Estou muito honrada por esse troféu", disse Clijsters após a vitória, seu 35.º título na carreira. "Isso não estava nos meus planos, queria apenas jogar tênis e é muito legal sentir essa sensação de novo", completou.

Convidada pela organização por estar voltando ao circuito da WTA, Clijsters demonstrou ao longo de todo o Grand Slam, o último da temporada, que ao contrário dos outros anos está em grande forma física e pode sim, brigar por mais títulos. Dois meses depois da sua volta, ela se tornou a primeira tenista convidada a conquistar o torneio.

 CAMPANHA DE CLIJSTERS NO US OPEN
Final - Caroline Wozniacki (DIN) [9]

Semifinal - Serena Williams (EUA) [2]

Quartas de final - Na Li (CHI) [18]

Oitavas de final - Venus Williams (EUA) [3]

Terceira rodada - Kirsten Flipkens (BEL)

Segunda rodada - Marion Bartoli (FRA) [14]

Primeira rodada - Viktoriya Kutuzova (UCR)

Adversária da grande decisão, pela primeira vez em uma final de peso, Wozniacki valorizou ainda mais a conquista de Clijsters. Com apenas 19 anos, a jovem dinamarquesa se comportou como uma tenista experiente e lutou por cada ponto durante a 1 hora e 33 minutos de partida.

Antes de encarar o US Open, a belga, de 26 anos, se preparou com os torneios de Cincinnati (Estados Unidos) e Toronto (Canadá). 

Homenageada desta edição, coube a Maria Eshter Bueno sortear o cara ou coroa da grande decisão. Em 2009, a brasileira comemora 50 anos do seu primeiro título do US Open, quando esse ainda se chamava US Championship. Ela conquistou o torneio em 1959, 1963, 1964 e 1966, ficando com o vice-campeonato em 1960.

 

E Maria Esther pareceu ter levado ainda mais inspiração a Clijsters. Com golpes decisivos do fundo da quadra, a belga não demorou a demonstrar o tênis que a consagrou e abriu dois games de vantagem. No entanto, a jovem dinamarquesa não se intimidou e, logo em seguida, não só confirmou os seus serviços, como impôs duas quebras de saque.

 

 QUEM É ELA
Nome: Kim Clijsters

Nascimento: 8/6/1983, em Bilzen (Bélgica)

Altura: 1,74 metros

Profissionalização: 1999

Melhor ranking: Número 1

Premiação: US$ 16 milhões

Com o revês sofrido, a ex-número 1 do mundo tinha mesmo que retomar as ações do jogo. E conseguiu. Ela parou de cometer erros bobos, redobrou a concentração e colocou Wozniakci para correr. Com a calma de uma campeã, fechou o primeiro set em 7/5.

 

Clijsters voltou do intervalo disposta a decidir de vez a partida. Continuou o seu jogo agressivo, mas viu do outro lado uma adversária no auge da sua forma física e que, por isso, chegava em bolas até então impossíveis. Com tanto equilíbrio, o jogo seguiu sem quebras de saque até o quinto game do segundo set.

 

A partir daí, a belga passou a tomar conta do jogo e distribuir todo seu repertório de golpes. Tirou da bolsa ace, golpes de devolução, no meio da quadra bolas no contrapé de Wozniacki e fechou a partida com um smash decisivo.

Diante de tanta pressão, a adversária até tentou esboçar uma reação, mas já era tarde. Clijsters nem bem fechou o segundo set em 6/3 e desabou em lágrimas, apontando para a filha Jada de apenas 1 ano e meio, nas arquibancadas do Arthur Ashe Stadium.

(atualizado às 0h51 de segunda-feira)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.