Nada é impossível para Justine Henin

Nada é impossível para Justine Henin-Hardenne, jogadora belga com difícil história de vida. Passou por problemas de doença em família e com físico fraco, desde criança sonhou em ser profissional, mas sabia que seria difícil. Para confirmar seu lema, ficou sete meses fora das quadras por causa de um vírus no sangue e depois uma lesão no joelho. Voltou em março e soma agora 21 vitórias, desde que retomou o circuito. Por isso, salvar dois match-points na partida desta segunda-feira diante da russa Svetlana Kuznetsova, a campeã do US Open, não foi tão assustador assim. Venceu o jogo por 7/6 (8/6), 4/6 e 7/5. O próximo desafio de Justine Henin será nesta terça-feira diante de Maria Sharapova, que precisou de apenas dez minutos para terminar seu jogo contra a espanhola Nuria Llagostera, vencendo por 6/2 e 6/3. "Estive muito melhor nestes dois últimos jogos do que nos doisprimeiros", avisou Sharapova. "Ainda não sei direito jogar no saibro, gostaria de saber escorregar mais. Porém, já me sinto bem mais forte nesta superfície. Estou até achando bem legal." Outra jovem revelação, Ana Ivanovic, da Sérvia e Montenegro, que eliminou no meio do caminho Amelie Mauresmo, alcançou agora as quartas-de-final ao superar a italiana Franchesca Schiavone, por 6/4, 6/7 (7/3) e 6/3. Vai encontrar-se agora com Nadia Petrova, que eliminou Elena Bovina por 7/5, 3/6 e 6/4.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.