Nadal bate Federer e vai à final

Uma nova estrela brilha em Roland Garros: o tenista espanhol Rafael Nadal celebrou o seu 19º aniversário nesta sexta-feira da maneira como queria. Venceu o número 1 do mundo, o suíço Roger Federer, com convincentes 6/3, 4/6, 6/4 e 6/3, para chegar à sua primeira final de Grand Slam. Agora, com todo o favoritismo possível, irá enfrentar na decisão do título o argentino Mariano Puerta, que eliminou o russo Nikolay Davydenko por 6/3, 5/7, 2/6, 6/4 e 6/4.A torcida não teve do que reclamar do duelo Federer x Nadal, apontado como a final antecipada de Roland Garros. O jogo esteve ameaçado por duas vezes. Primeiro por causa da chuva e depois, por falta de luz natural. Mas o espanhol não deixou o confronto ir longe demais e, em quatro sets, superou o número 1 do mundo, após 2 horas e 47 minutos de partida.O dia estava mesmo perfeito para Nadal. Com um pouco mais de umidade, a quadra central de Roland Garros ficou bem mais lenta, do jeito que o espanhol gosta. Por sua vez, Federer não jogou seu melhor tênis. Esteve hesitante por muitas vezes e isso lhe custou a chance de ganhar o seu primeiro troféu de Roland Garros. Deixou a quadra central ovacionado, mas sem o único título de Grand Slam que ainda não conquistou em sua vitoriosa carreira.?Eu comecei mal e terminei mal?, explicou Federer, que perdeu apenas três vezes nesta temporada - além deste jogo para Nadal, foi derrotado pelo russo Safin e o francês Gasquet. ?Estive bem no meio do jogo, mas não fui bem o suficiente. Ele foi o melhor jogador hoje e mereceu a vitória.?No dia de seu aniversário, Nadal fez a festa. Agradeceu a torcida e, ao deixar a quadra, meio eufórico, comemorou a grande vitória. "Para mim é incrível estar nesta final, tendo vencido o número 1, é um sonho", admitiu o espanhol. "Federer é o melhor do mundo, não só no tênis, mas em todos os aspectos, é um fenômeno."Na outra semifinal, Mariano Puerta fez um jogo sem graça com Davydenko e chegou à sua primeira final de um Grand Slam, justamente quando já estava desacreditado. Em 2003, o argentino cumpriu suspensão por doping e chegou a ficar em 440º lugar no ranking mundial. Agora, com esta campanha em Paris, já se coloca entre os 20 primeiros.Para Puerta, estar nesta final já é uma vitória. Segundo ele, a motivação foi ainda maior, para mostrar que sua punição por doping foi uma injustiça. ?No momento, sou o homem mais feliz do planeta?, admitiu o argentino.Rafael Nadal e Mariano Puerta irão decidir o título da edição 2005 do torneio de Roland Garros no domingo, a partir das 9h30 (horário de Brasília), em Paris.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.