William West / AFP
William West / AFP

Nadal desiste de jogar em Pequim e Xangai e coloca liderança em risco

Espanhol ainda sofre com lesão no joelho direito que o impediu de disputar a semifinal da Copa Davis

Estadão Conteúdo

19 de setembro de 2018 | 09h34

Rafael Nadal anunciou nesta quarta-feira que não disputará o Torneio de Pequim, de nível ATP 500, e o Masters 1000 de Xangai, ambos na China, nas próximas semanas. O tenista espanhol explicou que ainda se recupera da lesão no joelho direito que o tirou da semifinal do US Open, no início do mês, em Nova York.

"Lamento não poder estar com todos os fãs na China, que são tantos, e também com os organizadores dos Torneios de Pequim e Shangai, que sempre tiveram tanta atenção comigo e com a minha equipe", disse o atual número 1 do mundo, nas redes sociais.

Nadal afirmou que tomou a decisão após consultar seus médicos. "Na segunda-feira, estive em Barcelona consultando os médicos sobre a situação do meu joelho. Sabendo que os problemas no meu joelho não são novidade, decidimos juntos com a equipe técnica que não vou participar da gira asiática para poder recuperar o meu joelho da maneira mais adequada", justificou.

A ausência nas duas competições poderá custar a liderança do ranking ao espanhol. Nadal vai ter descontado 1.100 pontos por não disputar os dois torneios por ter sido campeão e vice em Pequim e Xangai, respectivamente, no ano passado.

Com este desconto, Nadal abre espaço para o crescimento do suíço Roger Federer e do sérvio Novak Djokovic no ranking. Ambos poderão ameaçar a liderança do espanhol. Djokovic, por não ter que defender nenhum ponto até o fim do ano, é quem tem mais chances de superar Nadal. Se for campeão dos dois torneios chineses, já desbancará o rival no topo.

Federer, por sua vez, terá mais trabalho para superar o espanhol, por defender os pontos dos títulos de Xangai e Basileia, além da semifinal do ATP Finals, a competição que encerra a temporada da ATP.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.