Gregorio Brogia/AP
Gregorio Brogia/AP

Nadal minimiza ranking e não põe prazo para retorno

Após desistir de disputar o US Open, tenista diz que a prioridade é recuperar o físico para voltar as quadras

AE-AP, Agência Estado

17 de agosto de 2012 | 12h25

Depois de anunciar que não disputará o US Open, o espanhol Rafael Nadal reiterou o que disse seu treinador, Toni Nadal, e preferiu não colocar um prazo para seu retorno às quadras. O tenista apontou que no momento o importante é se recuperar da tendinite em seu joelho esquerdo e garantiu que só voltará a jogar quando estiver em plenas condições físicas.

"Preciso ouvir (os médicos) e ser paciente. E só vou voltar quando meu joelho estiver bom", declarou o espanhol nesta sexta-feira. "A melhor coisa que posso fazer agora é parar, me recuperar completamente, aceitar a situação e trabalhar duro para retornar melhor", completou.

Dono de 11 títulos em Grand Slam, o tenista número três do mundo esteve nas duas últimas finais do US Open, ganhando em 2010 e perdendo para Djokovic em 2011. Agora, como não poderá defender os pontos conquistados, ele deverá ser ultrapassado pelo escocês Andy Murray no ranking da ATP.

Nadal, no entanto, minimizou esta possibilidade e disse que sua prioridade no momento não é manter-se entre os primeiros do mundo. "Neste estágio da minha carreira, o ranking é o menos importante. O mais importante é ter certeza de estar em forma para competir como fiz durante os primeiros seis meses do ano, com uma chance sólida de vencer em cada torneio. Depois de ficar quase oito anos entre primeiro e segundo, acho que ser o segundo, quarto ou sexto melhor não muda nada", afirmou.

O tenista não entra em quadra desde que perdeu para o checo Lukas Rosol ainda na segunda rodada de Wimbledon, no dia 28 de junho. Depois disso, desistiu da disputa da Olimpíada de Londres, dos torneios de Toronto e Cincinnati e agora do US Open. O espanhol espera voltar a jogar nas semifinais da Copa Davis, de 14 a 16 de setembro, quando a Espanha encara os Estados Unidos, mas preferiu não fazer promessas.

"Se meu joelho estiver recuperado em tempo para a Copa Davis e o capitão me quiser, ficarei satisfeito em estar lá", comentou. "Seria animador para mim e um grande momento para retornar. Se não, então vou ter que esperar um pouco mais".

Tudo o que sabemos sobre:
TênisRafael NadalUS Open

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.