Nadal: na final como grande favorito

O duelo masculino, na final deste domingo em Roland Garros, promete ser bem mais disputada que a feminina, quando Justine Henin-Hardenne derrotou Mary Pierce num duplo 6/1. Rafael Nadal candidata-se a novo rei do saibro, com 24 vitórias consecutivas na superfície, a última sobre o número 1 do mundo, Roger Federer. Como grande favorito enfrenta a supresa argentina Mariano Puerta na decisão neste domingo em Roland Garros, às 10 horas de Brasília, com ESPN.Os dois finalistas revelam histórias bem distintas, o que poderia sugerir uma decisão desigual. Nadal, de 19 anos, é o centro das atenções, e melhor jogador da temporada no saibro. Ganhou os títulos da Costa do Sauípe, Acapulco, Montecarlo, Barcelona e Roma, enquanto Puerta, de 26 anos, o número 40 no ranking da ATP antes de chegar a Paris, ganhou apenas em Casablanca.Após derrotar na sexta-feira, em quatro sets, o suíço Roger Federer, número um do mundo, no dia em que comemorou o seu 19.º aniversário, não há dúvida que Nadal é favorito absoluto hoje, mas o tenista prefere ser cauteloso. "Não é uma final fácil, ele está jogando de forma incrível." Puerta passou pelo russo Nikolay Davydenko, nas semifinais, também em cinco sets.Mas se há muita diferença entre os dois tenistas, também há coincidências: ambos são canhotos e chegam a primeira final de um Grand Slam nas suas carreiras. "Ambos somos canhotos. Temos os mesmos tipos de golpes. Ambos chegamos ao jogo com enorme autoconfiança. Jogamos de uma maneira muito parecida", disse Puerta, profissional há nove anos. Ele afirmou que "vai lutar como um louco, pois não sabe se estará de novo numa final de Roland Garros".NERVOSO - Nadal não acha que estará nervoso na decisão de Roland Garros, apesar da importância do torneio. Observou que jogou seis finais na temporada. E ressaltou que não pode haver mais pressão do que a sentida, no fim do ano passado, na decisão da Copa Davis, quando a Espanha derrotou em casa os Estados Unidos por 3 a 2. Puerta afirmou, no dia 26 de maio, após superar a segunda rodada de Roland Garros, que o favorito para ganhar o torneio era Nadal. "Ele é terrível, parece que não se conforma em ganhar, quer vencer sempre por um triplo 6/0. Não dá nada de presente. É um tenista que vai fazer história ganhando vários torneios de Grand Slam", analisou o argentino. Puerta não se incomoda com os gritos de Nadal. "O fato de ouvir de seu rival ´vamos Rafa´ pode não agradar, mas sabendo como ele é fora da quadra não me incomodo."RANKING - Nadal está a um passo de ser o número um na Corrida dos Campeões. Se ficar com o título, empatará com Roger Federer como o primeiro na lista, com 665 pontos, mas com a moral de ter ganho a maioria dos seus pontos em torneios do Grand Slam. Nadal alcançou a quarta rodada do Grand Slam anterior, no Aberto da Austrália, em Melbourne, quando caiu diante do australiano Lleyton Hewitt. Na lista de entradas da ATP, com a vitória na semifinal sobre Federer, Nadal superou o russo Marat Safin e passou a ocupar o quarto lugar. Se vencer hoje alcançará o terceiro lugar, ultrapassando o norte-americano Andy Roddick.GUGA - Em Paris treinando com o técnico Hernan Gumy, Gustavo Kuerten aproveitou para matar um velho desejo e foi encontrar-se com Chico Buarque. Os dois jantaram juntos, ambos revelando admiração mútua. Guga, segundo comentários em Roland Garros, poderia ser convidado para participar da cerimônia de premiação ao campeão hoje, o que seria de certa forma estranho, pois normalmente só jogadores que encerraram a carreira participam destas premiações. Pelé já participou desta cerimônia, em 1998, ano da Copa na França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.