Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Nadal projeta confronto difícil contra Berlocq e exalta o público brasileiro

Após eliminar Feijão, espanhol encara argentino nesta sexta-feira por vaga na semifinal

Amanda Romanelli e Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

15 de fevereiro de 2013 | 09h39

SÃO PAULO - Depois de eliminar Feijão, o último brasileiro na disputa de simples do Brasil Open, o espanhol Rafael Nadal projeta uma partida equilibrada contra o argentino Carlos Berlocq nesta sexta-feira, não antes das 20 horas, no Ginásio do Ibirapuera.

“Vai ser difícil. Ele tem bons golpes e é um jogador bastante completo. Mas vou tentar jogar bem, um pouco melhor do que hoje (quinta) e, se tiver sorte, passar para a semifinal.”

E ele aponta as dificuldades encontradas em São Paulo em sua partida de estreia. “Aqui as condições são estranhas e isso afeta todos os jogadores. Com a altitude e a bola ruim, é um pouco difícil de controlar. A bola fica muito rápida.”

Para o espanhol, essas situações tiram um pouco do brilho do espetáculo. Mas o público brasileiro não parece ter se importado muito com esses detalhes técnicos. Os torcedores aplaudiam e gritavam a cada boa jogada de Rafael Nadal e também do brasileiro João Souza, o Feijão. A determinação do 140.º colocado do ranking encantou o público e, apesar da derrota por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/4, ele deixou a quadra aplaudido de pé e com seu apelido entoado em coro no ginásio.

A alegria da torcida em sua volta ao País depois de oito anos do título conquistado na Costa do Sauípe, na Bahia, deixa Nadal encantado."Pude sentir o carinho de todas as pessoas. É um ambiente fantástico. O público me faz sentir alguém especial e esse carinho não tem preço. É uma sensação difícil de explicar."

Tudo o que sabemos sobre:
tênisBrasil OpenRafael NadalBerlocq

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.