Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Nadal sofre derrota histórica e é eliminado na 2ª rodada de Wimbledon

De forma inesperada, tenista espanhol perde para o checo Lukas Rosol por 3 sets a 2 e é eliminado

AE, Agência Estado

28 de junho de 2012 | 18h27

LONDRES - Rafael Nadal protagonizou uma das maiores zebras da história de Wimbledon nesta quinta-feira. O bicampeão, número dois do mundo, não resistiu ao checo Lukas Rosol, atual 100º colocado do ranking, e foi eliminado logo na segunda rodada do tradicional torneio por 3 sets a 2, com parciais de 6/7 (9/11), 6/4, 6/4, 2/6 e 6/4.

Com a inesperada derrota, Nadal igualou sua pior campanha em Wimbledon, em 2005, quando também caiu na segunda rodada. Desde então, o espanhol somava cinco finais no Grand Slam britânico - só ficou de fora em 2009, quando não disputou o torneio. A queda também marca o pior resultado do espanhol em competições deste nível desde 2005.

Por ser o atual vice-campeão, Nadal perderá pontos preciosos ao fim do torneio. Assim, o suíço Roger Federer deverá reassumir a segunda colocação no ranking sem maiores sobressaltos se não protagonizar outra surpresa na competição.

Rosol, por sua vez, comemora sua maior vitória da carreira. Com os mesmos 26 anos de Nadal, o checo disputa a chave principal de Wimbledon pela primeira vez. Nos últimos cinco anos, ele foi eliminado logo na primeira rodada do qualificatório. Sem títulos de nível ATP, Rosol obteve sua melhor colocação no ranking em agosto de 2011, quando ocupou a 65ª posição.

O checo surpreendeu nesta quinta ao mostrar consistência em quase todos os fundamentos, principalmente no saque e nos golpes de backhand, a exemplo do número 1 Novak Djokovic. Ao todo, Rosol cravou 65 bolas vencedoras, contra 41 de Nadal. Os 16 erros não forçados do espanhol só confirmaram a consistência do rival, que falhou em 29 golpes, mas foi dominante na maior parte do jogo.

O JOGO

Depois de ter trabalho diante do brasileiro Thomaz Bellucci, na estreia, Nadal voltou a mostrar irregularidade no set inicial desta quinta-feira. Sem ritmo, chegou a defender um set point de Rosol antes do tie-break. O checo teve outros dois pontos decisivos, mas não conseguiu fechar. Nadal aproveitou o vacilo e fechou em seu terceiro point.

Sem desanimar, Rosol manteve o ritmo no segundo set e faturou nova quebra de saque logo no primeiro game, após dupla falta do espanhol. Daí em diante, o checo só administrou a vantagem até fechar o set e empatar o duelo.

Cada vez mais confiante, Rosol impôs nova quebra no terceiro game da terceira parcial e abriu 2/1. Consistente, sustentou o bom volume de jogo até fechar mais um set e passar à frente no placar.

No quarto set, Nadal esboçou reação ao faturar duas quebras de saque e vencer por 6/2. O espanhol vibrava a cada ponto e parecia estar de volta ao jogo. Embalado, o número dois do mundo ainda foi favorecido por uma interrupção do jogo para o fechamento do teto, em razão da falta de luz natural.

Mas a paralisação, que durou cerca de 40 minutos, não esfriou Rosol. O checo voltou firme no quinto set e impôs mais uma quebra ao favorito logo no primeiro game. Na sequência, ele consolidou a liderança do placar e manteve a vantagem até fechar o set em 6/4, após 3h19min de confronto.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisWimbledonNadalTsongaDel Potro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.