Christophe Ena/AP
Christophe Ena/AP

Nadal volta a bater Thiem, fatura 12º troféu de Roland Garros e faz história

Espanhol supera austríaco por 3 sets a 1 e se isola como o maior vencedor de um único Grand Slam

Rafael Franco, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2019 | 13h37

Com a sua segunda vitória seguida sobre o austríaco Dominic Thiem na final de Roland Garros, Rafael Nadal conquistou neste domingo o seu 12º título do tradicional torneio francês e fez história em Paris. Ao bater o rival por 3 sets a 1, com parciais de 6/3, 5/7, 6/1 e 6/1, o tenista espanhol  se tornou o maior vencedor de um único Grand Slam, entre homens e mulheres, e superou o recorde que ele dividia com a australiana Margareth Court-Smith, que ganhou por 11 vezes o Aberto da Austrália entre 1960 e 1973.

Esse também foi o 12º triunfo do atual vice-líder do ranking mundial em 12 decisões na capital francesa, onde anteriormente ele também ficou com a taça em 2005, 2006, 2007, 2008, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2017 e 2018. Com o feito obtido na França, Nadal também aumentou para 18 o seu número de títulos de Grand Slam, ficando apenas dois atrás do suíço Roger Federer, recordista de conquistas da série de quatro torneios mais importantes do tênis, dentro da qual o tenista da Espanha também ostenta três taças do US Open, duas de Wimbledon e uma do Aberto da Austrália. 

O número 2 do mundo também passa a contabilizar 82 troféus de simples em sua carreira, sendo que esta foi a sua segunda taça obtida nesta temporada, na qual também se sagrou campeão do Masters 1000 de Roma. Já Thiem, que havia sido o algoz de Nadal nas semifinais do Torneio de Barcelona deste ano, desta vez não conseguiu superar o favoritismo do adversário e viu ser adiado de novo o sonho de conquistar o seu primeiro título de Grand Slam – no ano passado, o austríaco foi superado por 3 sets 0 pelo espanhol na decisão de Roland Garros.

O atual número 4 da ATP foi atropelado na decisão de 2018, mas o seu tênis evoluiu muito de lá para cá e desta vez ele jogou de igual para igual com Nadal. E isso mesmo depois de ter eliminado na véspera o sérvio Novak Djokovic, líder do ranking mundial, em uma desgastante semifinal de cinco sets que começou a ser realizada na sexta-feira e só terminou no sábado, devido às paralisações provocadas pela chuva no dia anterior. Assim, o espanhol chegou à decisão com uma boa vantagem física após despachar Federer na sexta com um tranquilo triunfo por 3 sets a 0.

Atuando diante do Rei do Saibro, Thiem iniciou a partida jogando em altíssimo nível e sem medo de encarar o rival atuando do fundo de quadra, em um tipo de disputa que o espanhol costuma ser dominante em quadras de terra batida. E já no quinto game do primeiro set ele conseguiu quebrar o saque do adversário. O inabalável Nadal, porém, já devolveu a quebra no sexto game e depois converteu um novo break point no oitavo antes de sacar para fechar a parcial em 6/3.

No segundo set, porém, Thiem seguiu exibindo uma grande atuação e, com 80% de aproveitamento dos pontos que disputou com o seu primeiro serviço, confirmou todos os seus saques sem oferecer nenhuma chance de quebra a Nadal. E o espanhol acabou servindo sob pressão no 12º game quando estava em desvantagem de 6/5 e cedeu dois break points ao seu rival, que aproveitou já o primeiro deles para fazer 7/5 e empatar o confronto.

O que poderia ser um prenúncio de uma virada, porém, não se confirmou. Nadal voltou para o terceiro set jogando como um rolo compressor. Quebrou o saque de Thiem logo no primeiro game e repetiu a quebra no terceiro para abrir 3 a 0. O austríaco só foi fazer o seu primeiro ponto no set no quarto game e acabou sendo atropelado ao ver o espanhol converter mais um break point e liquidar a parcial em 6/1, em apenas 24 minutos, e ficar mais perto do título. 

A “montanha” que Thiem precisava escalar a partir dali era alta demais, mas já no primeiro game do quarto set ele conseguiu um break point no saque do espanhol. Porém, o favorito se salvou e confirmou o seu serviço. Mais desgastado do que o rival, o austríaco ficou em desvantagem de 15/40 no segundo game, acabou sofrendo nova quebra e viu o seu oponente abrir 2/0.

Thiem não desistia nunca e obteve dois break points no terceiro game com um belo golpe cruzado de esquerda. Mas Nadal se salvou por duas vezes com bons saques, que o austríaco devolveu na rede. E novamente usando o serviço com eficiência, abriu 3/0 ao ir até a rede para matar o ponto com um voleio. 

O espanhol não deixava o austríaco respirar e conseguiu três chances de quebra no quarto game, mas o seu rival se salvou com bons saques também e diminui a vantagem para 3/1.  Entretanto, o vice-líder da ATP voltou a confirmar o seu serviço e colocou pressão de novo sobre o austríaco no sexto game. Com um erro cometido pelo rival do fundo de quadra e depois com uma bola na rede, Nadal teve dois break points e converteu o segundo ao contar com um novo golpe para fora do seu rival e abriu 5/1. 

E, com o saque na mão, o Rei do Saibro liquidou a partida com tranquilidade. Conseguiu dois match points após novo outro erro de Thiem e desperdiçou o primeiro, mas depois  o austríaco voltou a colocar uma bola para fora e o espanhol se jogou na quadra para comemorar o seu 18º Grand Slam, sendo o 12º apenas em Paris.

Emocionado, ele enxugou as lágrimas em sua camisa suja de saibro e levantou os braços para agradecer aos céus. E em seu discurso aberto para os torcedores com o microfone aberto para a torcida, Nadal afirmou: “A primeira coisa que eu quero dizer é dar os parabéns a Dominic, que mereceu chegar à final e pelo nível de tênis que está jogando. Desejo o melhor para a continuidade de sua carreira”.

Já ao ser questionado sobre como se sente ao ganhar Roland Garros pela 12ª vez, o espanhol respondeu: “É uma coisa que não consigo explicar, é uma sensação que é como um sonho. Não imaginava que iria jogar a primeira final aqui em 2005 em minha primeira participação e que estaria jogando a final agora em 2019”.

Com este título, Nadal também ampliou a sua invencibilidade em Roland Garros para 23 partidas. Ele não perde na capital francesa desde quando caiu diante de Djokovic nas quartas de final de 2015. De lá para cá, foi eliminado em 2016 sem sofrer derrota, pois desistiu antes de jogar a terceira rodada, por motivo de lesão, antes de emplacar 21 vitórias consecutivas com os títulos em sequência nas campanhas de 2017, 2018 e 2019.

NAMORADA DE THIEM LEVA TÍTULO

Essa foi a nona vitória de Nadal em 13 jogos contra Thiem, que buscava neste domingo o 14º troféu de sua carreira.  E poucas horas antes da decisão de simples masculina em Paris, a francesa Kristina Mladenovic, namorada do tenista austríaco, conquistou o título de duplas femininas de Roland Garros. Atuando ao lado da húngara Timea Babos, ela superou na final as chinesas Saisai Zheng e Ying Duan por 2 sets a 0, com parciais de 6/2 e 6/3.

Esse foi o segundo troféu de Grand Slam obtido pela parceria, que também faturou o Aberto da Austrália no ano passado. E Mladenovic triunfou pela segunda vez no torneio francês, pois foi campeã de duplas em Paris anteriormente em 2016, quando jogou ao lado da sua compatriota Caroline Garcia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.