Nastás dá garantias de que deixará a CBT

A crise do Brasil na Copa Davis parece não ter fim. Apesar da decisão do presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Nelson Nastás, de convocar eleições para 15 de maio e dar carta branca aos jogadores para escolha do novo treinador, a confusão ainda não está encerrada. A iniciativa não comoveu os tenistas e, pelo menos até agora, nenhum deles voltou atras no boicote para o confronto com o Paraguai, de 9 a 11 de abril.O episódio transformou-se em briga política na CBT, com comunicados, informativos e esclarecimentos tanto da situação, com Nelson Nastás, como da oposição, liderada pela Federação Catarinense, de Jorge Lacerda Rosa. Pelo lado dos jogadores, ninguém tomou partido.Nesta quinta-feira, Nastás preocupou-se em formalizar sua decisão de antecipar eleições para dia 15 de maio, remetendo cópias, registradas em cartório, de sua promessa de não concorrer à reeleição, já que o grupo de opositores dizia não acreditar na saída do atual presidente.A postura da oposição, no entanto, não é esperar. Por isso, ainda tenta destituir o atual presidente, argumentando que esta seria a única forma de acabar com o boicote dos jogadores.Por outro lado, os organizadores do confronto com o Paraguai, a Octagon Koch Tavares, vem sofrendo as conseqüências dessa confusão. Afinal, a empresa pagou caro por um evento que teria Guga em quadra. Além disso, toda estrutura para abrigar o confronto está montada na Costa do Sauípe, sem ainda saber se os jogos serão mesmo na Bahia.Fora dessa briga e mais preocupado com seus próximos desafios, Gustavo Kuerten já viajou para Miami, com esperanças de boa campanha no torneio do Masters Series que acontecerá lá na semana que vem. Por enquanto, Guga ainda não comunicou qual sua posição diante dos novos fatos na briga política da CBT.

Agencia Estado,

18 de março de 2004 | 18h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.