Sebastien Pirlet/Reuters
Sebastien Pirlet/Reuters

Partida de Caroline Wozniacki é investigada por suposta farsa

Dinamarquesa estava a um game de fechar o jogo, quando abandonou, alegando ter uma lesão na coxa esquerda

AE, Agencia Estado

22 de outubro de 2009 | 09h56

A dinamarquesa Caroline Wozniacki, vice-campeã do US Open, está sob investigação por suspeita de manipulação de resultado no Torneio de Luxemburgo. Ela vencia a desconhecida local Anne Kremer por 1 set a 0 (7/5), e tinha 5 a 0 no segundo set, quando desistiu da partida, válida pela primeira rodada da competição. A jogadora alegou ter uma lesão na coxa esquerda.

A desistência causou estranheza às autoridades do tênis. O caso ficou ainda mais grave porque o pai de Wozniacki, Piotr, disse à filha para desistir da partida quando o placar apontava 3 a 0 no segundo set. A suspeita é de que havia apostadores jogando alto na vitória de Anne Kremer.

O porta-voz da Associação de Tênis Feminino (WTA), Neil Robinson, disse nesta quinta-feira que a Unidade pela Integridade do Tênis - órgão criado para analisar questões como esta - já está ciente do caso.

A questão das apostas é uma das maiores preocupações dos dirigentes do tênis. O caso mais famoso de suposta manipulação aconteceu no Torneio de Sopot de 2007, quando o favorito russo Nikolay Davydenko abandonou uma partida contra Martin Vassallo Arguello. O jogo teve um volume incomum de apostas no argentino. Depois de um ano de investigações, ninguém acabou punido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.