Joe Toth/AFP
Joe Toth/AFP

Pela primeira vez em 130 anos, a final masculina de Wimbledon terá uma árbitra

Croata Marija Cicak é a escolhida para o duelo entre Novak Djokovic e Matteo Berrettini, neste domingo

Redação, Estadão Conteúdo

10 de julho de 2021 | 10h26

A final masculina de simples deste domingo, entre o sérvio Novak Djokovic e o italiano Matteo Berrettini, será a primeira em 130 anos de história do Torneio de Wimbledon que será comandada por uma árbitra. A croata Marija Cicak, de 43 anos, foi a escolhida para conduzir a decisão do Grand Slam inglês.

Será a segunda vez da vida de Cicak na condução de uma final de simples de Wimbledon. Ela foi a responsável por dirigir a decisão de 2014 entre Petra Kvitova e Eugenie Bouchard. Ainda comandou a decisão de duplas em 2017 no Grand Slam da Inglaterra.

Com 15 anos seguidos de experiência sendo árbitra em jogos de Wimbledon, a croata ainda tem no currículo serviços prestados nas últimas três olimpíadas: Atenas, Londres e Rio, sempre trabalhando em jogos femininos.

O All England Club oficializou a arbitragem de Cicak na final entre Djokovic e Berrettini neste sábado. Em 2018, ela trabalhou num duelo de semifinal de Wimbledon entre o americano John Isner e o sul-africano Kevin Anderson.

A árbitra poderá ver Djokovic entrar para a história e se igualar a Roger Federer e Rafael Nadal como os maiores campeões de Grand Slams. Suíço e espanhol conta com 20 taças, diante de 19 do sérvio, campeão das duas últimas edições em Londres: 2018 e 2019. O torneio não foi realizado em 2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.