Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

Perto de voltar após suspensão, Bellucci é confirmado no qualifying do Rio Open

Brasileiro lutará por uma das quatro vagas na chave principal do ATP 500

O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2018 | 14h51

A Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) anunciou nesta terça-feira a lista de tenistas que disputarão o qualifying do Rio Open, nos dias 17 e 18 de fevereiro, e confirmou que entre os quais estará Thomaz Bellucci, que está prestes a terminar de cumprir uma suspensão de cinco meses após se envolver em um caso de doping.

+ Brasil inicia treinos na República Dominicana para duelo da Davis

+ WTA confirma volta de Wozniacki à liderança e Bia Haddad Maia sobe 9 posições

Sem jogar desde o último US Open, Grand Slam realizado em agosto, nos Estados Unidos, o brasileiro lutará por uma das quatro vagas na chave principal do ATP 500 realizado no Jockey Club Brasileiro, palco do maior torneio de tênis da América do Sul na atualidade, que estarão em jogo no qualificatório para o evento.

Além de Bellucci, o seu compatriota Thiago Monteiro e o norte-americano Tennys Sandgren, surpreendente quadrifinalista do último Aberto da Austrália, foram confirmados entre os jogadores que disputarão o qualifying na capital carioca.

No ano passado, Bellucci também surpreendeu no início de sua campanha no Rio Open ao eliminar o japonês Kei Nishikori, atual 27º colocado da ATP e que na ocasião fazia parte do Top 5 do ranking mundial. Monteiro, por sua vez, foi responsável por desbancar o favoritismo do francês Jo-Wilfried Tsonga na edição 2016 da competição, então quando o hoje 19º tenista do mundo integrava o Top 10.

"A chave do Rio Open Qualifying apresenta novamente altíssimo nível técnico com vários tenistas que já estiveram entre os melhores do mundo. Vale muito a pena para o público comparecer nestas rodadas para vivenciar todo o clima do torneio e ver de perto importantes nomes competindo ou até mesmo assistir aos treinos das principais estrelas do evento, como Marin Cilic, Dominic Thiem, Pablo Carreño Busta, Gael Monfils e outros ídolos do tênis", disse Luiz Procópio Carvalho, diretor do ATP 500 brasileiro, por meio da assessoria do evento nesta terça-feira.

Sandgren, por sua vez, fez bonito em Melbourne ao eliminar os suíços Stan Wawrinka, então integrante do Top 10, e o austríaco Dominic Thiem, sexto da ATP, em sua campanha no último Aberto da Austrália. Assim, o norte-americano saltou 42 posições no ranking e assumiu o 55º lugar. 

O norueguês Casper Ruud, semifinalista do Rio Open do ano passado, o argentino Carlos Berlocq e o espanhol Pablo Andujar foram outros tenistas confirmados no qualifying do Rio Open de 2018, cuja chave principal ocorrerá entre 19 e 25 de fevereiro.

BELLUCCI

Bellucci estará oficialmente liberado para voltar a jogar nesta quinta-feira (dia 1º de fevereiro), depois de ter o seu caso de doping anunciado apenas no final do ano passado. Ele começou a cumprir a sua punição em 1º de setembro, mas se manteve em silêncio sobre o assunto desde que foi notificado pela Federação Internacional de Tênis (ITF, na sigla em inglês) no ano passado. 

Bellucci testou positivo para hidroclorotiazida em exame antidoping realizado no dia 18 de julho, quando disputava o ATP 250 de Bastad, na Suécia, onde foi eliminado na estreia. A substância é proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) e em sua defesa Bellucci enviou frascos do multivitamínico, que teriam tido contaminação cruzada, para análise em laboratórios dos Estados Unidos e Canadá, que comprovaram a contaminação em diversos frascos. 

Ele também fez exames de urina e cabelo, voluntariamente, para tentar provar sua inocência. "Não tinha a mínima noção que aquela substância estava nos meus suplementos", afirmou o tenista, que, como atleta de ponta,precisa tomar suplementos para repor as vitaminas que perde quando treina e joga. "Tomei apenas minhas vitaminas, coisa que qualquer atleta faz. Não tinha a mínima noção de que aquela substância estava nos meus suplementos".

Após esse episódio, Bellucci prometeu processar o laboratório e tomar as medidas cabíveis. A ITF analisou os argumentos do brasileiro, mas optou por punir o jogador, por achar que ele tem a sua parcela de culpa. De qualquer forma, diante das explicações, a entidade colocou uma pena branda, de apenas cinco meses, em uma situação que poderia tirar o jogador de ação por até quatro anos caso pegasse a pena máxima.

Bellucci tem a sua volta às quadras prevista para a próxima semana, no Torneio de Quito, no Equador. Quarto cabeça de chave do ATP 250 equatoriano realizado em quadras de saibro, ele estreará direto na segunda rodada da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.