William WEST / AFP
William WEST / AFP

Rafael Nadal mira final do Aberto da Austrália para tentar bater recorde de Grand Slams

Aos 35 anos, tenista espanhol enfrenta o italiano Matteo Berrettini pela semifinal do torneio australiano

AFP, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2022 | 12h46

O espanhol Rafael Nadal está a dois jogos de se tornar o tenista com maior número de Grand Slams da história, à frente de seus rivais, o sérvio Novak Djokovic e o suíço Roger Federer. O atleta de 35 anos terá que superar o poderoso saque do italiano Matteo Berrettini na madrugada desta sexta-feira para chegar à final de domingo contra o russo Daniil Medvedev, número 2 do mundo, ou o grego Stefanos Tsitsipas, número 4, 

Nadal, sexto no ranking da ATP e vencedor do Aberto da Austrália em 2009, chegou ao torneio com expectativas modestas após retornar à competição depois de uma pausa de três meses e meio devido a uma lesão crônica no pé no final da última temporada.

Mas uma combinação da deportação de Djokovic na véspera do torneio por sua relutância em ser vacinado e a saída surpresa do número três do mundo, Alexander Zverev, na quarta rodada, abriu o caminho de Nadal para as semifinais.

Nadal, que vem modificando seu jogo para compensar uma doença óssea degenerativa no pé que ameaça encerrar sua carreira, enfrenta outro teste físico contra o finalista de Wimbledon do ano passado. "Agora me sinto bem (...) estou nas semifinais do Aberto da Austrália, o que é inacreditável para mim", disse Nadal.

Berrettini, sétimo classificado no ATP e o primeiro italiano a chegar à semifinal do Aberto da Austrália, está surpreso ao enfrentar Nadal, mas confiante em vencê-lo. "Jogar com ele (Nadal) na Rod Laver Arena nas semifinais é algo com que sonhei quando era criança", disse. "Agora eu quero muito vencer este jogo. Eu sei que tenho que fazer isso. Será muito difícil. Estou nas semifinais pela terceira vez, o que significa que este é o meu nível e eu quero ir mais longe".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.