Kenzo Tribouillard/AFP
Kenzo Tribouillard/AFP

Rafael Nadal enfrenta Dominic Thiem atrás de sua 12ª taça de Roland Garros

Em reedição da decisão de 2018, espanhol tenta voltar a bater o austríaco e ampliar o seu reinado na competição francesa

Rafael Franco, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2019 | 04h30

Dono de incríveis 11 títulos de Roland Garros, Rafael Nadal vai em busca neste domingo do seu 12.º troféu do Grand Slam francês a partir das 10h (de Brasília) para ampliar o seu reinado em Paris. O Rei do Saibro enfrenta o austríaco Dominic Thiem, vice-campeão na capital francesa ano passado, como favorito a erguer o troféu que já ganhou em 2005, 2006, 2007, 2008, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2017 e 2018.

Nadal passou por Roger Federer nas semifinais com vitória por 3 sets a 0, enquanto Thiem assegurou vaga na decisão após batalha com Novak Djokovic.

Após eliminar o número 1 do mundo, Thiem vai reencontrar Nadal, que na final de 2018 o arrasou por 6/4, 6/3 e 6/2. O espanhol ganhou oito dos 12 confrontos que teve com o rival.

No último jogo entre os dois, porém, o austríaco levou a melhor ao eliminar o espanhol nas semifinais de Barcelona, em quadras de saibro como as de Paris, em abril. Neste domingo ele tenta voltar a surpreender para conquistar seu primeiro título de Grand Slam e o 14.º da carreira.

Entretanto, Thiem, de 25 anos, encara um Nadal, de 33, ciente de que precisará derrubar uma lenda da torneio. Em Roland Garros, o espanhol não perde jogo desde quando caiu diante de Djokovic em 2015. De lá para cá, acumula 22 vitórias seguidas. Caso confirme o favoritismo, o número 2 do mundo vai conquistar o seu 18.º título de Grand Slam e ficar a dois de alcançar Federer, recordista da série dos quatro torneios mais importantes do tênis.

"Estar na final mais uma vez significa muito, especialmente depois de todas as lesões que tive. Estou feliz por chegar a mais uma final no meu torneio favorito", disse.

Após bater Djokovic, Thiem festejou. "Foi incrível, o primeiro jogo de cinco sets da minha vida em Roland Garros. Estava nas semifinais com talvez três dos maiores de todos os tempos, então é um dia inacreditável por ter batido um deles", disse. "Rafa é favorito, mas quero deixar tudo na quadra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.