Relatório aponta que 45 jogos de tênis estão sob suspeita

'O tênis não é corrupto, mas as partidas precisam ser investigadas', diz documento da Federação Internacional

EFE

19 de maio de 2008 | 17h51

Uma comissão independente apresentou nesta segunda-feira um relatório revelando que 45 jogos do circuito de tênis profissional disputados nos últimos cinco anos estão sob suspeita devido ao alto volume de apostas. A Federação Internacional de Tênis (ITF, em inglês), a ATP, a WTA e a organização de cada um dos quatro torneios do Grand Slam (Aberto da Austrália, Roland Garros, Wimbledon e US Open) publicaram as conclusões de uma investigação feita por um painel de especialistas sobre a integridade no esporte. "O tênis profissional não é sistemática nem institucionalmente corrupto, mas 45 partidas precisam ser investigadas mais detalhadamente", disse o documento. A investigação foi iniciada depois de a casa de apostas pela internet Betfair alertar sobre a possibilidade de fraude nas apostas em uma partida do russo Nikolay Davydenko contra o argentino Martin Vassallo Arguello, pelo torneio de Sopot, na Polônia. Na partida, realizada no dia 2 de agosto do ano passado, Davydenko venceu o primeiro set por 6-2, perdeu o segundo por 6-3, e decidiu deixar a quadra quando estava em desvantagem de 2 a 1 no terceiro por causa de uma lesão no pé. A Betfair registrou um volume de apostas para esta partida dez vezes superior ao normal (de quase US$ 7 milhões), a maioria a favor do argentino, mesmo após o fim do primeiro set, e apesar de o sul-americano ocupar a 87.ª posição no ranking de entradas, frente ao quarto lugar de Davydenko - colocação na qual está até hoje. Posteriormente, outros jogadores confessaram ter recebido propostas para entregar partidas. 

Tudo o que sabemos sobre:
apostastênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.