Retrospecto atesta a genialidade de Federer no tênis

Com dez títulos em torneios de Grand Slam, quase US$ 30 milhões recebidos com premiações, 157 semanas seguidas na liderança do ranking de Entradas da ATP e muitos outros números a favor, Roger Federer está entre os maiores da história do tênis e pode ser chamado de gênio, como ele mesmo se definiu em entrevista no último final de semana. Porém, outros recordes estão aí para serem batidos e o suíço não quer perdê-los de vista. O primeiro deles está bem próximo. Com 157 semanas seguidas como número 1 do ranking de Entradas da ATP - desde fevereiro de 2004 -, Federer precisa de mais três para superar o feito obtido pelo norte-americano Jimmy Connors. Isso acontecerá no final de fevereiro, independente do desempenho do suíço nos torneios do próximo mês. No número de vitórias e de títulos na carreira, Federer ainda está distante de vários "gênios" do tênis que já não estão mais em atividade - dois deles até foram rivais do suíço no circuito profissional. Com 490 vitórias (em 615 jogos) e 46 títulos, o suíço vai ter que suar muito para fazer frente para Pete Sampras (762 vitórias e 64 títulos), Andre Agassi (866 e 60) e Ivan Lendl (1.070 e 94), por exemplo. O melhor de todos é Jimmy Connors, com 1.222 vitórias e 109 títulos, mas para quem ainda tem 25 anos e grandes perspectivas na carreira, nada é impossível. O suíço corre atrás ainda do recorde do norte-americano Pete Sampras, de 14 vitórias em torneios de Grand Slam. Algoz vem da Espanha Com o objetivo de jogar, pelo menos, até 2012 - quando pretende lutar pela medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres na grama de Wimbledon -, Federer sabe que alguns obstáculos precisarão ser batidos para atingir os recordes. Entre esses percalços estão, ou estiveram, alguns adversários em quadra. O mais duro de todos é o espanhol Rafael Nadal, outro jovem tenista, que já impediu o suíço de conquistar o Aberto da França - o único que Grand Slam que lhe falta - por duas vezes (2005 e 2006) e que tem o melhor retrospecto no confronto direto (6 a 3). Outro tenista em atividade com mais vitórias do que derrotas para o atual líder do ranking é o brasileiro Gustavo Kuerten. Em três duelos, Guga bateu Federer em duas ocasiões. Uma, inclusive, na quadra de piso duro em que o suíço é especialista - foi em Indian Wells (EUA), em 2003. No ano seguinte, na terceira rodada de Roland Garros, o brasileiro não deu chances e aplicou um incontestável triplo 6/4.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.