Retrospecto favorece Guga na final

No íntimo, com certeza, Gustavo Kuerten dá sempre um sorriso quando sabe que vai ter pela frente um tenista da Espanha. Embora não declare abertamente, ele tem um bom motivo para isso: os espanhóis são seus maiores fregueses. O tenista brasileiro ostenta um incrível retrospecto diante destes jogadores, com 48 vitórias contra 18 apenas derrotas em toda sua carreira. Para a final deste domingo, Guga vai enfrentar outro daqueles fregueses de "carteirinha", Alex Corretja. Das seis vezes que se encontraram, o brasileiro venceu quatro, justamente as últimas partidas.Com a boa vitória sobre o francês Sebastien Grosjean, por 7/5 (7/2), 6/4 e 6/4, Alex Corretja chega à final de Roland Garros 2001 bem mais confiante e esperançoso de outro destino diante de Guga. "É lógico que espero por uma final muito difícil", contou o espanhol. "Mas tenho de manter as esperanças e se já venci Guga uma vez naquele inferno de Porto Alegre (durante a Copa Davis de 1998), posso conseguiur outro bom resultado em Paris." Esta será a segunda final de Alex Corretja em Roland Garros. Em 98, ele decidiu o título diante do compatriota Carlos Moya e perdeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.