Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Rio Open começa nesta segunda e ganha cara de festival da família

Competição terá espaço para lazer, shows musicais e pratos de chefs renomados, além de estrelas mundiais

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2018 | 07h00

Principal competição de tênis da América do Sul, o Rio Open começa nesta segunda-feira querendo ir além das disputas nas quadras de saibro instaladas no Jockey Club Brasileiro, na zona sul do Rio. Na quinta edição do torneio de nível ATP 500, a ideia dos organizadores é fazer do local um ponto de encontro de amigos ou de lazer para a família. Isso porque, além da presença de estrelas do tênis mundial, como o francês Gael Monfils (leia entrevista abaixo), o croata Marin Cilic e o austríaco Dominic Thiem, o Rio Open terá espaço ampliado para lazer, shows musicais e pratos produzidos por chefs renomados.

+ Federer coroa retorno ao topo do ranking com 97º título da carreira

+ Bellucci, Monteiro e Rogerinho pegarão cabeças de chave na estreia no Rio Open

O principal nome da competição será Marin Cilic, atual terceiro colocado no ranking da ATP e vice-campeão do Aberto da Austrália. Será a primeira vez que ele disputará a competição carioca. “O Rio Open é um desafio para mim, especialmente por ser no saibro. Espero começar em um bom nível desde o primeiro jogo, mantendo a forma do Aberto da Austrália. O saibro me ajudou a jogar melhor e por isso quis vir jogar aqui no Brasil”, disse o tenista.

Apesar de nem todos os ingressos terem sido vendidos – ainda é possível encontrar bilhetes para a maior parte dos dias, inclusive para a final do próximo domingo –, a expectativa dos organizadores é de crescimento de público em relação à edição do ano passado. “Este ano será fora da época do carnaval. Não sabíamos muito bem como seria, mas estamos tendo uma surpresa muito boa. Foram 45 mil pessoas no ano passado, e este ano prevemos 10% a mais”, considerou Marcia Casz, diretora de esportes da IMM e responsável pela organização da disputa.

Segundo dados dos organizadores, mais de 60% do público já esteve na competição em pelo menos uma das edições passadas, e 20% é de fora do Rio de Janeiro. Desses, São Paulo, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Paraná são os Estados que mais levam pessoas ao Rio Open.

A crise na segurança pública – o governo federal interveio nas polícias Civil e Militar, no Corpo de Bombeiros e no Sistema Penitenciário – não deverá alterar a rotina do torneio, avalia Marcia. “Segurança sempre é preocupante em qualquer grande torneio e estamos muito seguros com nosso planejamento”, considerou. “A própria localização ajuda. Os atletas ficam perto, e o deslocamento não passa pelas áreas mais difíceis do Rio. A Guarda Municipal nos dá apoio logístico, e dentro do evento temos reforço na segurança e vistoriamos tudo. Estamos bem confiantes, mas tristes com a situação atual em que o Rio de Janeiro se encontra.”

CUSTOS

O Rio Open distribuirá US$ 1,84 milhão (R$ 5,95 milhões) em prêmios, valor que tem crescido com o passar dos anos – na primeira edição, a disputa masculina pagou US$ 1,25 milhão. Juntar o montante e levantar toda a estrutura da competição, que inclui a construção de uma quadra central com capacidade para 6,2 mil pessoas e uma praça de serviços de 10 mil metros quadrados, com área VIP, restaurantes e lojas, foi um desafio extra. “Óbvio que a crise impactou muito”, afirmou Marcia Casz. “Mas conseguimos manter 90% dos patrocinadores e estamos conseguindo sobreviver. Fazemos um esforço grande, porque a gente investe no produto e quer crescer.”

O crescimento passa por um sonho antigo: levar o Rio Open para o Parque Olímpico e aproveitar toda a estrutura já existente na área construída na Barra da Tijuca. O problema é que o palco dos Jogos do Rio-2016 é de quadra dura, e a competição carioca é disputada no saibro.

“Estamos satisfeitos com o evento no Jockey. Fica no coração da cidade, tem o Cristo Redentor abençoando o evento. A nossa chancela é para o saibro, e fazer essa mudança para o complexo olímpico depende de aprovação para a mudança de superfície”, lembrou Marcia. “A gente é feliz com o que o Rio Open é, mas pensando no crescimento do torneio, queremos mudar para a quadra rápida”, admitiu a organizadora.

4 perguntas para Gael Monfils, tenista francês

1. Você sabia que tem muitos fãs no Brasil por causa do seu estilo de jogo?

Fico feliz. Sempre gosto de disputar cada ponto até o finalzinho e conto com a minha capacidade física.

2. Como você lida com esta fama de “showman”? 

Isto não é algo que eu faça de propósito. É mais uma questão de feeling para saber qual é a melhor jogada para cada momento. É legal que isso entretenha o público, mas no final das contas a única coisa que quero é ganhar. 

3. Quando você começou a arriscar estas jogadas mais acrobáticas?

Não houve um momento específico. Sempre tentei experimentar novas jogadas nos treinos. No entanto, eu raramente uso estes golpes nos jogos. 

4. Será sua segunda vez no Brasil. O que você mais gostou daqui em sua primeira vez, na Olimpíada do Rio?

Eu não pude ver muito na primeira vez porque ficamos confinados na Vila Olímpica. Mas eu curti a sensação da cidade e espero ver mais desta vez.

COLABOROU FELIPE ROSA MENDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.