Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Roger Federer aponta para possível retorno às quadras no Aberto da Austrália

Suíço, de 39 anos, está fora de ação desde janeiro por causa de uma lesão no joelho direito

Redação, Estadao Conteudo

21 de dezembro de 2020 | 14h24

O tenista supercampeão Roger Federer poderá retornar às quadras no Aberto da Austrália, primeiro Grand Slam de 2021, a ser disputado de 8 a 21 de fevereiro. O suíço, de 39 anos, está fora de ação desde janeiro por causa de uma lesão no joelho direito. Sua presença ainda não é certa, mas ele indicou que está esperançoso de que possa jogar em Melbourne.

"Ainda não testei totalmente como está o desempenho do meu joelho na quadra, mas espero poder jogar na Austrália", disse Federer, em entrevista à revista suíça Schweizer Illustrierte. O atleta está em Dubai, onde permanecerá em treinamentos até o Natal. Depois, o plano do tenista é seguir para Melbourne.

O Aberto da Austrália foi o último torneio de Federer, que está em quinto no ranking da ATP. Ele perdeu a semifinal para o sérvio Novak Djokovic e depois se submeteu a uma artroscopia no joelho, que o manteve fora das quadras durante todo o restante do ano de 2020. Foram duas cirurgias joelho direito, em fevereiro e em junho. O veterano ainda não realizou atividades de impacto depois das operações.

Na entrevista, Federer comparou seu atual momento com o vivido em 2016, outro ano em que também foi prejudicado por causa de lesão, mas que foi superada. Ele citou a determinação de seu rival Rafael Nadal. "Falei muito com ele durante este intervalo, estamos no Conselho de Jogadores e perguntamos o que é melhor para o esporte ou como podemos obter isso para o futuro."

Segundo o diretor do Aberto da Austrália, Craig Tiley, "todos os melhores tenistas do mundo, incluindo Roger Federer, prometeram vir a Melbourne" para disputar o primeiro torneio de nível Grand Slam do ano, adiado em três semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.