Stefan Wermuth/Reuters
Stefan Wermuth/Reuters

Roger Federer conquista Wimbledon e supera Pete Sampras

Tenista suíço bate Andy Roddick por 3 a 2, é campeão pela 6.ª vez e se torna o maior ganhador de Grand Slams

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

05 de julho de 2009 | 14h28

O suíço Roger Federer, de 27 anos, se consagrou neste domingo como o atleta mais vitorioso da história do tênis mundial. Ao ganhar pela sexta vez na carreira o torneio de Wimbledon, na Inglaterra, ele atingiu a marca de 15 Grand Slams conquistados, superando o ex-jogador norte-americano Pete Sampras, que faturou 14 vezes as quatro competições mais importantes do circuito da ATP.

Veja também:

linkFederer comemora recorde e retorno ao topo do ranking

linkApós 46 semanas, Federer volta ao número 1 da ATP

linkFederer ganha Wimbledon e Roland Garros no mesmo ano

especialESPECIAL - Os 15 Grand Slams de Federer

mais imagens GALERIA - Veja imagens da decisão

forum BATE-PRONTO - Federer: o maior de todos

especialWIMBLEDON - Leia mais sobre o torneio

Na decisão, Federer teve mais trabalho do que o esperado em um confronto que durou mais de quatro horas, mas mesmo assim mostrou força para bater Andy Roddick, dos Estados Unidos, por 3 sets a 2, com parciais de 5/7, 7/6, 7/6 e 3/6 e 16/14.

 OS ÚLTIMOS 10 CAMPEÕES
 2009 - Roger Federer (SUI)

 2008 - Rafael Nadal (ESP)

 2007 - Roger Federer (SUI)

 2006 - Roger Federer (SUI)

 2005 - Roger Federer (SUI)

 2004 - Roger Federer (SUI)

 2003 - Roger Federer (SUI)

 2002 - Lleyton Hewitt (AUS)

 2001 - Goran Ivanisevic (CRO)

 2000 - Pete Sampras (EUA)

A conquista do suíço se tornou ainda mais especial pela presença de Sampras na plateia. Ele retornou ao All England Club pela primeira vez em sete anos para ver a final. Desde que, em 2002, Sampras foi eliminado na segunda rodada pelo suíço George Bastl, o americano não tinha voltado a pisar no clube londrino.

Roger Federer já havia sido campeão em Wimbledon cinco vezes seguidas entre os anos de 2003 e 2007. No ano passado, perdeu a hegemonia na competição ao ser superado na decisão pelo espanhol Rafael Nadal, que não pôde participar do torneio neste ano devido a uma lesão.

A vitória recoloca o suíço na liderança do ranking mundial, posto que ocupou por 237 semanas seguidas (recorde de todos os tempos) entre 2004 e 2008 e perdeu justamente para Nadal em agosto do ano passado.

Além de Wimbledon, Federer já ganhou três vezes o Aberto da Austrália, cinco vezes o Aberto dos Estados Unidos e uma vez Roland Garros.

Contra Roddick, o retrospecto é extremamente favorável. Agora são 21 triunfos e apenas dois resultados negativos.

CONFRONTO HISTÓRICO

Atual número 6 do mundo, Roddick, que deve melhorar seu ranking com o vice em Wimbledon, começou o jogo imprimindo um ritmo forte. Cometendo apenas três erros, o norte-americano conseguiu uma quebra no 11.º game - a primeira do jogo - e partiu para a vitória. Na segunda parcial, os tenistas seguiram confirmando seus saques, mas Federer não demonstrava que poderia quebrar o rival para empatar a partida. O set então foi para o tie-break.

 OS MAIORES EM GRAND SLAM
 15 títulos - Roger Federer (SUI)

 14 - Pete Sampras (EUA)

 12 - Roy Emerson (AUS)

 11 - Bjorn Borg (SUE) e Rod Laver (AUS)

No momento decisivo do segundo set, começou a reação de Federer na final. O suíço chegou a estar perdendo por 6 a 2, com quatro set points para Roddick. Mas o novo número 1 do mundo foi busc ar a virada e fez 8 a 6, para decepção do norte-americano, que tinha a oportunidade de abrir vantagem. Na sequência, Federer chegou melhor ao quarto set. Sem quebras para os dois lados, novamente a vitória veio no tie-break, desta vez por 7 a 5.

Mesmo com o suíço conquistando muitos pontos por ace - foram 50 no jogo, contra 27 do rival -, Roddick impressionou pela reação no quarto set. Uma quebra foi suficiente para fechar a parcial e fazer 2 a 2 no jogo. Já no set decisivo, a dificuldade para selar a vitória repetiu a final de 2008. Como em Grand Slams não há tie-break no quinto set, os tenistas se mantiveram sem conseguir quebrar o saque do adversário.

Enfim, após 4h16 de disputa e muita frieza por parte dos dois tenistas, Federer conquistou uma quebra e fechou o jogo, fazendo 16 a 14 no último set. Após a vitória histórica, o suíço fez questão de reconhecer o desempenho de Roddick, que impressionou por voltar a disputar uma decisão em Wimbledon, depois de ter perdido para o próprio Federer em 2004 e 2005. (Com AE)

Julian Finney/Reuters

Roger Federer devolve bola na final contra Roddick na quadra central do All England Club, em Londres

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.