Ali Haider/EFE
Ali Haider/EFE

Roger Federer joga sob pressão forte de Rafael Nadal em Wimbledon

Suíço tem 'apenas' dois títulos de vantagem sobre o rival e amigo na corrida por troféus de Grand Slam

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2019 | 04h33

Principal favorito em Wimbledon, Roger Federer entra em quadra nesta semana sob uma pressão incomum. Pela primeira vez, o suíço tem apenas dois títulos de vantagem sobre Rafael Nadal na disputa pelo recorde de troféus de Grand Slam, principal referência para definir aquilo que os especialistas e os fãs de tênis chamam de “melhor de todos os tempos”. O espanhol chegou a sua 18.ª conquista em Roland Garros. No saibro, sua especialidade. Agora será a vez de o suíço tentar fazer o mesmo na grama, seu piso favorito.

A seu favor, Federer terá uma chave mais tranquila que o rival e amigo. Em busca do 21.º título de Grand Slam, e o nono na grama londrina, o suíço de 37 anos poderá voltar a cruzar com Nadal na semifinal, como aconteceu em Paris, onde o espanhol não deu chances para surpresa.

 

Federer também tem como vantagem uma preparação melhor do que Nadal e Novak Djokovic para a grama de Wimbledon, seu maior objetivo da temporada. Foi o único dos três a disputar um torneio preparatório - em Halle, que venceu. Em relação ao sérvio, Federer só poderá enfrentá-lo na final.

Na chave feminina de Wimbledon, a checa Karolina Pliskova é uma das principais candidatas ao título. Estão na briga também a nova número 1 do mundo, a australiana Ashleigh Barty, campeã em Roland Garros, a japonesa Naomi Osaka e a checa Petra Kvitova, dona de dois títulos em Londres. Correndo por fora, ainda longe de exibir a forma física e técnica do auge, Serena Williams sonha com o 8.º título em Londres.

Brasileiros

A chave principal terá Thiago Monteiro e Bia Haddad, de volta a um Grand Slam após se machucar no quali de Roland Garros. Nas duplas, Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot despontam como os cabeças de chave número 1. Campeão em 2017, Melo é a maior aposta do País. 

Bruno Soares fará sua estreia em torneios deste nível com o croata Mate Pavic. Eles estão iniciando a parceria. Marcelo Demoliner, com o indiano Divij Sharan, terá a missão de encarar os campeões de Roland Garros, os alemães Kevin Krawietz e Andreas Mies.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.