Roger Federer vai unificar listas da ATP

Com mais uma atuação brilhante, destas de causar inveja, Roger Federer não deixou dúvidas de que merece a condição de novo número 1 do mundo. Em 2h15 de jogo colocou um fim na exaustiva campanha de Marat Safin, ao vencê-lo na final de Melbourne, por 7/6 (7/4), 6/4 e 6/2. Com isso, o tenista suíço não só confirma a liderança do ranking, como mantém uma incrível série de 12 vitórias. Não perde desde novembro do ano passado e, neste período, conquistou dois títulos importantes, o Masters Cup, em Houston, e agora o do Aberto da Austrália. "Sem dúvida é um belo começo de ano, ganhando um título de Grand Slam e assegurando a liderança do ranking", disse o tenista suíço, que ganhou um prêmio de US$ 800 mil, somou mil pontos para o ranking mundial e com os 200 obtidos para a Corrida dos Campeões também vai liderar esta lista a partir desta segunda-feira.Para Safin também restou uma bela campanha em Melbourne, com vitórias sobre Andy Roddick e Andre Agassi, reconquistando a confiança e a força de seu jogo. Subirá bastante no ranking mundial, indo de 86º para perto da 30ª colocação. "Faltou gasolina nesta final", disse o tenista russo que fez longos jogos em Melbourne. "Mas estou feliz de voltar aos grandes momentos e disputar uma final de Grand Slam.O jogo, curiosamente, foi disputado a partir do segundo set ao som de um show de rock nas proximidades de Melbourne Park?. Apesar das reclamações, o árbitro inglês Mike Morrisey disse que não tinha o que fazer e a partida teria de continuar com o barulho.Para Federer a vitória em Melbourne o colocou ao lado de jogadores como Pete Sampras, que em 1994, também conquistou seguidamente os títulos de Wimbledon e do Aberto da Austrália. Enquanto a veterana campeã Martina Navratilova despediu-se da competição com derrota. Ao lado do indiano Leander Paes perdeu a final de duplas mistas para Nenad Zimonjic e Elena Bovia por 6/1 e 7/6 (7/3).Recordes e cordas - E um torneio em que os organizadores se orgulham da presença de mais de meio milhão de pessoas passando pelas bilheterias, o recorde de serviço ficou com Roddick e o sueco Joachim Johansson que alcançaram a velocidade de 225 km/h. Com tanta força assim, não é de se surpreender que nestas duas semanas, os tenistas encordoaram mais de duas mil raquetes utilizando 24 km de cordas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.