Roland Garros aumenta a premiação

Além de charmoso, atraente e emocionante - e para os brasileiros, muito especial - o torneio de Roland Garros é agora também o mais rico do planeta. A Federação Francesa de Tênis anunciou nesta terça-feira, que a premiação total da competição subiu 2,8% em relação ao ano passado e distribuirá ? 13,549 milhões, ou pouco mais de US$ 17 milhões, ou ainda mais de R$ 46 milhões. Para o campeão masculino está reservado um cheque de ? 880 mil e para vencedora de simples feminina, ? 867 mil. Para os que não sonham chegar tão longe, há boas compensações. Um lugar na chave principal - derrota na primeira rodada - vale ? 13,1 mil e apenas uma vitória no qualifying já garante ? 1,7 mil, bem mais do que títulos em torneios pequenos. Esta premiação não deve, porém, manter-se como recorde por muito tempo. Como tradicionalmente acontece, depois de Roland Garros anunciar sua premiação, Wimbledon costuma apresentar uma cifra levemente superior, enquanto o US Open tem o hábito de aparecer com somas ainda mais impressionantes. Não só pelos prêmios, mas por toda importância e repercussão, os Grand Slams atraem o interesse de qualquer tenista. Para Roland Garros este ano, apenas dois brasileiros aparecem na lista dos já classificados, Ricardo Mello e Gustavo Kuerten. Flávio Saretta, por enquanto, precisará jogar o qualifying para conseguir um lugar no torneio, mas ainda tem remota chance de entrar direto, dependendo do número de desistências, que não costuma ser grande. Na lista dos favoritos ao título de Roland Garros, o espanhol Rafael Nadal avisou nesta terça-feira em Barcelona que não pensa no título do Grand Slam. Lembra que esteve fora das duas últimas edições de Roland Garros, por problemas de contusão. Nesta quarta-feira, estréia no torneio Conde de Godo, em Barcelona, jogando diante de Giles Muller, de Luxembrugo, mas diz não ter muitas expectativas na competição. Se diz cansado depois de 30 vitórias na temporada e três títulos, Brasil Open, Acapulco e Montecarlo.

Agencia Estado,

19 Abril 2005 | 15h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.