Rusedski denuncia doping no tênis

O tenista britânico Greg Rusedski afirmou nesta sexta-feira que outros 46 tenistas entre os 120 primeiros da Associação de Tenistas Profissionais (ATP) registraram a presença de nandrolona em seus exames antidoping, mas denunciou que só seu caso foi divulgado. Rusedski, que admitiu ter dado positivo em um teste de julho passado durante o Torneio de Indianápolis, nos Estados Unidos, havia assegurado em comunicado que é "um de 47", mas por alguma razão a ATP o "escolheu" e levou seu caso a público.Nessa nota, divulgada por seus advogados na quinta-feira, o tenista ainda foi além nas acusações à ATP: disse que a nandrolona encontrada em seu antidoping estava em suplementos fornecidos por técnicos da própria entidade. Disse que é vítima de um dos maiores escândalos de doping da história do esporte.Em material enviado à ATP, Rusedski reitera que é inocente e pede que a entidade esqueça o caso, já que - sustenta - não tomou nenhuma substância proibida.Segundo Rusedski, entre agosto de 2002 e maio de 2003, "ocorreu algo estranho" no mundo do tênis. "Pelo menos 43 amostras extraídas dos melhores jogadores da ATP deram positivas de altos níveis de nandrolona". Além disso, comentou, as provas tinham a mesma "marca analítica", o que demonstraria uma mesma procedência da droga.Rusedski aponta o caso do tenista checo Bohdan Ulihrach, exonerado porque se descobriu que a nandrolona procedia de substâncias fornecidas pelos próprios treinadores.Os demais 43 jogadores não foram investigados e Rusedski, que mantém um registro de todas as vitaminas que consumiu durante sua carreira, pede à ATP que atue agora da mesma maneira. "Se era injusto e pouco razoável acusar ou investigar esses 43 casos prévios, acho que seria igualmente injusto e pouco razoável proceder com o meu", declara em seu comunicado. "Isso está errado. É injusto e discriminatório. Em vez de me acusar, a ATP deveria investigar o assunto. Nenhum outro jogador deveria sofrer como eu."

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2004 | 18h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.