Rússia faz confusão e garante Sharapova na Olimpíada

Gafe ocorreu porque a Federação queria que a tenista disputasse e Fed Cup

Estadão Conteúdo

27 Janeiro 2016 | 19h10

A Federação Russa de Tênis ameaçou excluir Maria Sharapova dos Jogos Olímpicos do Rio e, como forma de pressioná-la, convocou a tenista para a Fed Cup. Os russos, entretanto, parecem não terem entendido como funciona o sistema de classificação para o Rio-2016. A simples convocação era tudo que Sharapova precisava para se garantir na Olimpíada.

O ranking mundial é o principal critério de classificação do Rio-2016 no tênis, garantindo 56 vagas na Olimpíada na chave masculina de simples e outras 56 na feminina, com limite de quatro atletas por país. Pelo que definiu a Federação Internacional de Tênis (ITF) em conjunto com o Comitê Olímpico Internacional (COI), essas vagas não são nominais, mas obrigatoriamente devem ficar com os atletas do país mais bem colocados no ranking.

Para serem elegíveis, entretanto, os tenistas precisam cumprir alguns requisitos simples, especialmente relacionados à participação em competições entre países. No caso de Maria Sharapova, ela precisaria ter sido convocado para três confrontos da Fed Cup entre 2013 e 2016, mas isso só aconteceu duas vezes até aqui, ambas em 2015, ano em que ela enfrentou Polônia e República Checa.

Nesta quarta-feira, entretanto, a capitã Anastasia Myskina convocou Sharapova para enfrentar a Holanda, entre os dias 6 e 7 de fevereiro. A jogadora, quinta do ranking mundial, já havia afirmado que não poderia participar deste confronto por causa de um problema no braço.

O regulamento é claro em falar em "nominação". Convocada pela Rússia junto com outras três atletas, ela nem precisa efetivamente jogar para completar sua terceira participação na Fed Cup e, assim, ficar elegível para a Olimpíada.

Quinta do ranking mundial, Sharapova muito dificilmente não chegará até 6 de junho, quando fecha o ranking olímpico, entre as quatro melhores russas no ranking. Como a contagem começou em junho do ano passado, ela já tem os pontos da semifinal de Wimbledon, das quartas de final do Aberto da Austrália e da semifinal do Masters da WTA.

Por conta do critério de participações em Fed Cup ou Copa Davis, diversas tenistas de alto nível não são elegíveis para a Olimpíada. É este, por exemplo, o caso das espanholas Garbiñe Muguruza e Carla Suárez Navarro, da norte-americana Venus Williams e da bielo-russa Victoria Azarenka.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.