Michel Euler/AP
Michel Euler/AP

Safin se despede do tênis e recebe homenagens de jogadores

Aos 29 anos, ex-número 1 do mundo perdeu para o argentino Juan Martin del Potro no Masters 1000 de Paris

AE, Agencia Estado

11 de novembro de 2009 | 12h31

O russo Marat Safin, ex-número 1 do mundo, encerrou sua carreira de tenista profissional nesta quarta-feira, aos 29 anos. Ele perdeu para o argentino Juan Martin del Potro na segunda rodada do Masters 1000 de Paris, a última competição que disputaria em sua temporada de despedida do circuito.

Veja também:

linkNadal vence Almagro e enfrenta Robredo no Masters 1000  

linkDjokovic bate Juan Monaco na sua estreia em Paris

Safin, atualmente na 65.ª posição do ranking mundial, mostrou muita energia e jogou em alto nível contra Del Potro, quinto colocado na lista da ATP. Mas o argentino acabou vencendo a disputa por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 5/7 e 6/4, após 1h55min de partida.

Depois de perder o último ponto de sua carreira, Safin caminhou até a rede, abraçou Del Potro, e ficou sentado ao lado da quadra, enquanto era aplaudido de pé pelos espectadores no ginásio de Bercy.

O russo, então, foi homenageado pela organização do evento, que lhe presenteou com um troféu especial. Enquanto um telão mostrava imagens da carreira do ex-número 1, tenistas e ex-tenistas entraram em quadra para abraçá-lo.

Entre os companheiros que foram homenagear Safin estavam Novak Djokovic, Gilles Simon, Tommy Robredo e Ivo Karlovic, todos rivais mais recentes. A velha guarda foi representada por Cedric Pioline, Marc Rosset, Albert Costa e Younes El Aynaoui.

Em seu discurso de despedida, o russo disse que ainda não tem grandes planos para o futuro. "Se eu conseguir ter fora do tênis 10% do sucesso que tive nas quadras, estarei feliz. Agora temos que achar um lugar para comemorar", afirmou.

Safin iniciou a carreira profissional em 1997, e logo firmou-se entre os principais tenistas do mundo. Em novembro de 2000, ele atingiu o topo do ranking da ATP e ficou com o número 1 por nove semanas, revezando-se na época com o brasileiro Gustavo Kuerten.

Nas 13 temporadas como profissional, o russo conquistou 15 títulos de primeira linha, entre eles dois Grand Slam: o US Open de 2000 e o Aberto da Austrália de 2005, último grande feito de sua carreira. Recentemente, Safin teve de lidar com uma série de lesões, que prejudicaram seu jogo e abreviaram sua trajetória no esporte.

Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.