Safin vence Mantilla em jogo de 4h38

Divertido, descontraído e muito talentoso, o russo Marat Safin teve de usar todos os seus recursos para sair de uma verdadeira enrascada na partida em que venceu o manhoso espanhol Felix Mantilla por 3 sets a 2. A partida, que teve 4 horas e 38 minutos de duração, havia sido interrompida na véspera, no quinto set, por falta de luz natural. Na terceira rodada, Safin vai enfrentar o italiano Potito Starace. Em um jogo que poderia ter vencido em três sets, complicou-se e depois de um ponto longo, bonito, resolveu baixar o calção numa espécie de irônica comemoração. Para o público foi divertido, o clima entre os jogadores também estava bem, mas para os dirigentes do tênis, a atitude mereceu uma punição. Safin perdeu o ponto, em decisão do juiz de cadeira, o brasileiro Carlos Bernardes, mas ainda assim ganhou o jogo por 6/4, 2/6, 6/2, 6/7 (7/4) e 11/9. "Por punições como esta é que o tênis está ficando cada vez mais aborrecido", reclamou Safin. "Tirei a calça por que quis tirar. Não havia nenhum protesto nisso, apenas uma reação, que nem sei por que fiz. Acho que, no mínimo, ficou engraçado, colaborou para o clima tenso de uma partida longa e equilibrada." Até mesmo seu adversário, Felix Mantilla não reclamou do episódio. "Nunca tinha visto ninguém fazer isso", disse o espanhol. "Mas não vi nenhum problema e acho que o juiz teve de puní-lo para cumprir uma regra." Carlos Bernardes não esconde que se viu diante de uma situação inusitada. Contou que os dois jogadores já havia sido advertidos por outras ações e acabou até mesmo chamando o supervisor Mike Morrissoy para impor a punição por atitude anti desportiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.