Samba com sotaque francês na festa

Uma escola de samba com acento e ritmo francês, batizada informalmente de "Rio Garros" marcou o início da festa do tricampeonato de Gustavo Kuertem em Roland Garros. Ainda na quadra, o tom brasileiro já estava claro nas sofisticadas arquibancadas do torneio. Camisas da seleção e gritos de Guga deram um clima alegre e saboroso a esta final. O melhor do show foi mesmo a escola de samba Rio Garros. Assim que Guga conseguiu aquele esperado match point depois de quatro tentativas, o som da batucada apareceu de longe, como que por magia. O grupo ganhou acesso, ninguém sabe como, aos corredores e alamedas de Roland Garros. Em pouco tempo, quem estava por perto saiu atrás, ensaiando samba no ritmo dos franceses sambistas. O líder do grupo é um brasileiro, há 12 anos em Paris, conhecido como Batulá. Entre loiras de tamborim e animados franceses no surdo, a batucada mostrou ser insistente em todos os aspectos. Primeiro na busca do verdadeiro ritmo do samba e, depois, por esperar horas pela presença do maior homenageado. Quando já parecia que o destino da escola de samba "Rio Garros" seria mesmo de procurar o caminho de casa ou seguir na comemoração em outro ponto, os próprios organizadores do torneio decidiram promover a aparição do tricampeão. Guga já estava exausto do jogo, das entrevistas, morto de fome (a ponto de pegar um pedaço de sanduiche ou outro das pessoas) e louco para ir embora. Mas não resistiu ao apelo. De chinelo, boné e boa vontade, saiu à porta do vestiário para abraçar a torcida e ensair alguns passos de samba com os integrante da Rio Garros. Fora isso, Guga queria "fugir" de compromissos. Encerrada as atribuições em Roland Garros foi para um jantar em família sem anunciar o local. Mas, como já tinha feito no ano passado, foi para o Terra Samba, um restaurante simples, típico brasileiro e animado por um cantor, Marcelo, amigo do técnico Larri Passos. Como em toda a campanha de Roland Garros, Guga não teve muito contato com as pessoas. No dia da festa do tricampeonato também tentou ficar só com a família e amigos mais íntimos. O curioso é que todos procuraram dissimular, esconder o que seria comum e esperado para uma data como esta: uma festa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.