Cristiano Andujar/CBT
Cristiano Andujar/CBT

Sem Correios, CBT confirma fim de contratos, mas prevê equilíbrio nas contas

Entidade deixou de receber R$ 2 milhões anuais de patrocínio

Felipe Rosa Mendes, Estadao Conteudo

01 de fevereiro de 2019 | 11h06

O fim do patrocínio dos Correios obrigou a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) a encerrar contratos e finalizar projetos, mas não deve abalar o equilíbrio nas contas da entidade, garante o presidente Rafael Westrupp. O vínculo com a estatal se encerrou em novembro e não foi renovado, o que abriu uma lacuna de R$ 2 milhões anuais no orçamento da entidade esportiva.

"Todos os contratos de prestadores de serviços, projetos sociais, entre outros, que tinham seus prazos de vigência concomitantes com a vigência do contrato de patrocínios dos Correios já foram descontinuados", afirmou Westrupp ao Estado. "Ou seja, a redução de despesas da CBT já foi automática quando do encerramento do contrato dos Correios."

Trata-se do segundo revés que a CBT e o próprio presidente sofrem em relação aos Correios. Logo após assumir o comando da entidade, no início de 2017, Westrupp precisou reorganizar as contas da confederação em razão da queda de 78% do valor que a estatal passou a pagar: caiu de R$ 9 milhões em 2016 para R$ 2 milhões no ano seguinte.

"É importante registrar que a CBT encerrou o exercício de 2018 com um superávit de R$ 900 mil. A CBT não tem nenhum título protestado em cartório, tem todas as CNDs [Certidão Negativa de Débitos] em dia e o certificado digital do Ministério do Esporte válido até abril. E nunca teve inscrita no CADIN [Cadastro Informativo de créditos, do Banco Central]e nem no CEPIM [Cadastro de Entidades Privadas Sem Fins Lucrativos Impedidas]."

O presidente garantiu que a perda do patrocínio não afetará todos os projetos da CBT. Sem dar detalhes, assegurou que manterá investimentos no alto rendimento e também na base. Um dos projetos que será mantido será o apoio a jovens tenistas que treinam na academia BTT, em Barcelona, caso de Orlando Luz e Felipe Meligeni. Atualmente, a CBT paga boa parte das despesas da dupla na cidade espanhola.

"É lógico que, para o tamanho de uma Confederação, perder uma receita de R$ 2 milhões causa um impacto significativo. Mas já sofremos com um corte mais profundo logo que assumi a entidade e encontramos soluções gerenciais capazes de manter o equilíbrio financeiro da CBT, e ainda seguir investindo em programas pioneiros", declarou Westrupp. "Estamos saudáveis financeiramente e no mercado buscando novos patrocínios."

O presidente ainda não descartou a renovação com os Correios. Segundo ele, a CBT não recebeu resposta definitiva da estatal, que passa por mudanças em sua gestão - o general Juarez Aparecido de Paula Cunha assumiu a presidência em novembro do ano passado, ainda no governo de Michel Temer.

"Em meados de 2018 tivemos reuniões e diversas conversas com a equipe do departamento de marketing dos Correios para tratar da nossa renovação de patrocínio. O contrato venceu em novembro e ainda não tivemos uma resposta em definitivo", afirmou o dirigente. "Entendo que o momento é geral, não é pontual da CBT. Várias confederações também estão passando por essa dificuldade."

Sem o apoio dos Correios, que era o principal patrocinador da entidade esportiva, a CBT conta agora como maior fonte de recursos o repasse de cerca de R$ 2,3 milhões anuais do Comitê Olímpico do Brasil (COB), através da Lei Agnelo/Piva. A CBT tem ainda os patrocínios da Peugeot, Wilson, Companion e Quicksand.

Com o fim do contrato, a CBT já parou de exibir a marca da estatal no uniforme dos jogadores e também em placas publicitárias, como as que vão cercar a quadra de saibro montada no Ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG), que receberá nesta sexta e sábado o duelo entre Brasil e Bélgica, pela fase qualificatória da Copa Davis.

O próprio nome da equipe brasileira na competição sofreu mudança com o fim do patrocínio. Antes, era chamado de Time Correios Brasil. Agora será chamado apenas de Time Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.