Tony Avelar/AP
Tony Avelar/AP

Serena é definida como 17ª cabeça de chave do US Open e escapa de favoritas

Americana foi colocada nove posições acima da sua colocação no ranking da WTA

Estadão Conteúdo

21 Agosto 2018 | 18h44

A Associação de Tênis dos Estados Unidos (USTA, na sigla em inglês) anunciou nesta terça-feira os cabeças de chave dos eventos masculino e feminino do US Open e determinou a norte-americana Serena Williams como a 17ª pré-classificada do torneio para mulheres, nove posições acima da sua posição no ranking da WTA.

A decisão implica que Serena evitará um possível cruzamento com uma das oito melhores colocada da lista na terceira rodada. Mas mantém aberta a possibilidade de medir forças nessa mesma fase com a sua irmã mais velha, Venus, a 16ª cabeça de chave, a sua mesma posição no ranking.

O restante dos pré-classificados - são 32 em cada chave - foi determinado pelos rankings da WTA e da ATP, como é usual. A romena Simona Halep, a dinamarquesa Caroline Wozniacki, a norte-americana Sloane Stephens e a alemã Angelique Kerber lideram, em sequência, o evento para mulheres, enquanto a ordem das cabeças de chaves entre os homens tem o espanhol Rafael Nadal, o suíço Roger Federer, o argentino Juan Martin del Potro e o alemão Alexander Zverev.

O US Open será o terceiro Grand Slam de Serena desde o nascimento de sua primeira filha, que ocorreu durante a edição de 2017 do evento nova-iorquino em setembro. A norte-americana desistiu de Roland Garros após se classificar às oitavas de final e depois foi finalista de Wimbledon. Na sequência, porém, sofreu a pior derrota da sua carreira ao cair por 6/1 e 6/0 para a britânica Johanna Konta no Torneio de San Jose.

A USTA havia adiantado em junho que iria adotar um critério que levaria em conta a gravidez como fator que afetou o ranking de uma tenista. Isso foi tema de discussão quando Serena não foi definida como cabeça de chave de Roland Garros, depois sendo apontada como 25ª pré-classificada de Wimbledon, embora fosse apenas a número 183 do mundo.

O porta-voz da USTA, Chris Widmaier, disse que definição teve a intenção de "equilibrar uma variedade de fatores, incluindo seu retorno às competições após o nascimento de sua filha, suas recentes atuações em quadras duras neste verão e o reconhecimento de suas realizações no US Open". Acrescentou que a USTA considerou que a decisão "é um reconhecimento a Serena e é justa para as outroa pré-classificados".

Serena, que vai completar 37 anos em setembro, venceu o US Open em seis oportunidades, a última em 2014. Ela está a um título de igualar o recorde de 24 conquistas de Grand Slam de Margaret Court.

O sorteio das chaves do US Open ocorrerá na quinta-feira e o torneio em Flushing Meadows se iniciará na segunda.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.