Serena Williams vence em Miami, apesar de insultos racistas

A tenista norte-americana Serena Williams foi alvo dos insultos de um manifestante racista na noite de segunda-feira, mas conseguiu manter a calma para obter sua terceira vitória sobre a tcheca Lucie Safarova, no WTA de Miami. No final da partida em que derrotou a oponente por 6/3 e 6/4, a tricampeã do torneio queixou-se ao juiz da partida, Joan Vornbaum, contra insultos dirigidos a ela por um espectador durante toda a partida. "O cara disse: ´atinja a rede como um ´negro´ (palavra extremamente ofensiva em inglês, principalmente se dita por um branco a um negro) faria", contou Williams a repórteres. "Eu fiquei chocada. Eu não podia acreditar. Eu tive que me redobrar. Eu acho que cometi uma dupla falta naquele ponto." Jogando seu primeiro torneio desde o título do Aberto da Austrália, em janeiro, Williams disse ter tentado ignorar os insultos, mas a gota d´água ocorreu quando as provocações penderam ao racismo. O manifestante foi detido por seguranças do torneio e levado à polícia. "Eu devia ter dito algo antes", acrescentou. "Até as pessoas no público estavam apontando para ele. O cara estava dizendo coisas que não deveria. Foi aviltante." Essa não foi a primeira vez que a tenista serviu de alvo para insultos racistas. No torneio de Indian Wells, em 2001, Serena e sua irmã Venus foram xingadas quando Venus abandonou uma partida semifinal entre elas. Seu pai, Richard, afirma que os insultos foram motivados por racismo, e as irmãs têm boicotado o Master Series desde então.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.