Lucy Nicholson/Reuters
Lucy Nicholson/Reuters

Ex-tenista russa Maria Sharapova anuncia doação para crianças 'na crise da Ucrânia'

Uma das competidoras de maior prestígio da Rússia, ex-atleta radicada evita a palavra 'guerra' em publicação nas redes sociais

Redação, Estadão Conteúdo

10 de março de 2022 | 11h45

Uma das tenistas russas de maior sucesso no circuito profissional, Maria Sharapova anunciou que fez uma doação para ajudar as crianças e as famílias que estão na Ucrânia. A atleta aposentada em 2020 evitou usar a palavra "guerra" em seu anúncio, feito pelas redes sociais.

"A cada dia que passa, estou com o coração cada vez mais partido e profundamente triste pelas imagens e histórias de famílias e crianças afetadas por esta crise crescente na Ucrânia", escreveu a ex-tenista, ao chamar a guerra de "crise".

A russa de 34 anos demonstrou apoio à organização "Save The Children". "Estou fazendo uma doação para o fundo de crise da 'Save the Children', uma organização que trabalha incansavelmente para fornecer comida, água e kits de primeiros socorros para aqueles que precisam. Por favor, junte-se a mim nesta doação. Eu rezo pela paz e envio o meu amor e apoio para todos os afetados."

Sharapova é radicada nos Estados Unidos desde os sete anos de idade. Ela mora na cidade de Bradenton, na Flórida, mas mantém conexão com a Rússia. Seus pais são da cidade de Gomel, em Belarus, país comandado por uma ditadura que apoia os vizinhos russos na invasão à Ucrânia e que também está sofrendo retaliações dos países europeus e dos EUA.

Gomel fica próximo à fronteira com a Ucrânia. E, curiosamente, Sharapova nasceu na cidade de Nyagan, na então União Soviética, por conta do acidente nuclear na usina de Chernobyl, em 1986. Conforme conta em sua biografia "Imparável", seus pais estavam preocupados com as consequências da tragédia na cidade ucraniana e decidiram se mudar para Nyagan, que fica perto da Sibéria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.