Sharapova mostra o seu lado de má

A bela Maria Sharapova mostrou o seu lado mais perverso para ganharum lugar nas quartas-de-final do US Open, pela primeira vez nacarreira. Usou sua maior experiência - embora tenha os mesmos 18 anosde idade de sua adversária - e abusou de sua condição de estrela ecabeça-de-chave número 1 do torneio para pressionar os juízes de linhae intimidar a oponente. Venceu a indiana Sania Mirza por fáceis 6/1 e6/2, e caminha para retomar a liderança do ranking feminino, mas pelaprimeira vez viu o que é ter a torcida contra. Chegou a ser vaiada eteve de se conformar com os aplausos e gritos de incentivo irem para ooutro lado. "O público sempre gosta de torcer para a mais fraca", justificouSharapova. "Gostam de ver uma surpresa." A surpresa foi ver também que Maria Sharapova não teve a costumeirabadalação em sua entrevista coletiva. A sala tinha apenas algumaspessoas e só lhe fizeram três perguntas. A inusitada situação deixouaté mesmo a assessora da WTA (Associação Feminina) constrangida. Por duas vezes elainsistiu: "Alguma pergunta mais?" Como ninguém respondeu, Sharapova, comum sorriso amarelo, foi gravar entrevista em russo para uma rádio deMoscou. Situação inversa aconteceu com Sania Mirza. Ela ficou mais de meiahora falando de sua experiência em ter jogado pela primeira vez naquadra central, o estádio Arthur Ashe, o fato de ter enfrentado umaestrela e como se transformou na tenista que mais subiu no ranking nosúltimos meses, ocupado a posição de número 42. "Não poderia pedir maisdo que isso. Estou muito feliz", contou a tenista, que teve de repetirsua história de vida, em que precisou de licença especial para usarroupas esportivas, por vir de uma família muçulmana bastanteconservadora. "Foi mesmo muito bom ver que a torcida estava ao meulado. Isso só me ajudou muito, uma pena que não consegui ir maislonge, mas espero fazer melhor na próxima vez." Em busca de outra campanha marcante no Grand Slam, Sharapova joga asquartas-de-final contra a compatriota Nadia Petrova, que eliminou a checaNicole Vaidisova por 76 (74) e 75. No jogo mais esperado do lado feminino, neste domingo, Venus Williams eliminou a irmã Serena por 7/6 (7/5) e 6/2. As duas, quepreviam só se verem em finais, disputando títulos, eencontraram nas oitavas-de-final do US Open. Mas Venus tratou derapidamente impor o seu estilo. "Apesar de alguns problemas no joelho etornozelo acho que posso estar na final." No seu caminho está Sharapova. No lado masculino, por pouco o australiano Lleyton Hewitt não seguiuo caminho de outro favorito, Rafael Nadal - eliminado pelonorte-americano James Blake. Mas ele se recuperou a tempo de eliminar TaylorDent por 6/3, 3/6, 6/7, 6/2 e 7/5. Agora, enfrenta o eslovaco DominikHrbaty, que ganhou de Davi Ferrer por 6/7, 7/5, 7/5 e 7/5.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.