Sharapova vence Henin e avança às semifinais na Austrália

Russa demorou pouco mais de uma hora e meia para ganhar da número 1 do mundo com um 'pneu'

Reuters

22 de janeiro de 2008 | 09h27

A russa Maria Sharapova jogou de forma excepcional para eliminar a número um do mundo, Justine Henin, por 6/4 e 6/0, pelas quartas-de-final do Aberto da Austrália, nesta terça-feira.Veja também: Jankovic desbanca Serena Williams e também vai às semifinais Nadal bate Nieminen e chega pela primeira vez às semifinais   A quinta cabeça-de-chave atuou com superioridade desde o início da partida, acertando 30 winners para vencer um primeiro set equilibrado e arrasar no segundo.   A russa enfrentará na semifinal a sérvia terceira pré-classificada, Jelena Jankovic, que venceu a norte-americana Serena Williams por 6/3 e 6/4.   "É fantástico quando você está na quadra e sente que está fazendo a coisa certa para vencer uma jogadora tão incrível como Henin. É simplesmente incrível", disse Sharapova em entrevista do lado de fora da quadra.   Sharapova, vice-campeã em Melbourne no ano passado, havia perdido seis de oito partidas contra Henin, mas entrou em quadra em velocidade máxima, abrindo vantagem de 5/2.   Atacando o backhand da belga, considerado o principal golpe de Henin, Sharapova conseguiu ditar o ritmo da maioria das trocas de bola, mantendo a adversária presa na linha de fundo.   Essa foi a primeira derrota de Henin desde o torneio de Wimbledon do ano passado, encerrando uma série de 32 vitórias. O 6/0 no segundo set foi o primeiro sofrido por ela desde 2002.   Sharapova venceu três de quatro jogos contra Jankovic, mas disse que seria difícil jogar com a sérvia porque as duas se conhecem bem desde as divisões inferiores.   Derrotada, Henin considerou Sharapova favorita a conquistar o título do Aberto da Austrália. "Acho que sim", disse ela, quando perguntada se Sharapova poderia conquistar o título.   "Muitas coisas podem acontecer, mas parece que ela é a jogadora que está realmente confiante agora, e ela tem grande chance de conseguir isso, eu acho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.