Só remédios mantêm Agassi em ação

Aos 35 anos, Andre Agassi joga atualmente a base de remédios. Depois de ter disputado a final do Masters Series de Montreal, no domingo, quando perdeu para Rafael Nadal em jogo bem disputado, o veterano tenista norte-americano voltou a sentir dores nas costas. Resultado: desistiu de participar esta semana no torneio de Cincinnati, com o firme propósito de poupar-se para o US Open, em que sonha com uma bela campanha e, por isso, alertou que poderá passar por mais uma sessão de injeções de cortisona."No atual estágio da minha carreira tenho de lidar com a hipótese de voltar a tomar cortisona. As aplicações duram cerca de dez minutos e posso jogar de dois a três meses sem dores", conta o tenista. "Não sei como meu corpo vai reagir a outra injeção de cortisona. Mas vou continuar tentando até o dia em que não tiver mais nada a fazer." A conquista de um título no US Open, ao lado de sua torcida e com 35 anos de uma linda história de vida e do tênis seria a despedida perfeita para um dos maiores nomes do esporte. Agassi não confirma a hipótese de aposentadoria, mas tudo caminha para um final próximo. No torneio de Roland Garros, o tenista americano perdeu para Jarkko Nieminen e fez uma declaração curiosa."Quando caminho do restaurante até a minha casa, ando com tantas dificuldades que as pessoas não acreditam que estão vendo um atleta." Para manter-se em ação, Agassi precisa de muita fisioterapia e ajuda da cortisona. Recentemente esteve meses afastado das quadras, nem sequer jogou Wimbledon. Só que agora os períodos em que consegue jogar em alto nivel estão cada vez menores.Jogou dois torneios, Washington e Montreal e faz nova parada, com esperanças de voltar com grande força em Nova York.LONGO REINADO - O suíço Roger Federer completou nesta segunda-feira 81 semanas como líder do ranking mundial. Este já é um dos mais longos reinados da história. Federer perde ainda para Agassi, 101 semanas, Bjorn Borg (109), John McEnroe (170), Jimmy Connors (263), Ivan Lendl (270) e Pete Sampras (284).O brasileiro Gustavo Kuerten, que esteve como número 1 por 43 semanas, manteve a posição de 341 do ranking na lista divulgada nesta segunda-feira pela ATP. Ricardo Mello está em 55 e Flávio Saretta em 105.SEM A BELA - Também com intenção de se poupar para o US Open, Maria Sharapova confirmou sua desistência do torneio de Toronto. A beldade russa, mesmo sem jogar, irá aparecer como a nova número 1 do mundo, na próxima segunda-feira, pois a atual líder, Lin dsay Davenport, contuntida, não terá como defender pontos no Canadá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.