Leo Correa/AP
Leo Correa/AP

Teliana Pereira minimiza revés: 'Só quero jogar no Brasil agora'

Tenista brasileira foi derrotada pela checa Klara Zakopalova no Rio Open por 2 sets a 0

Marcio Dolzan, Agência Estado

22 de fevereiro de 2014 | 18h29

RIO DE JANEIRO - A pernambucana Teliana Pereira perdeu para Klara Zakopalova nas semifinais do Rio Open e ficou fora daquela que seria sua primeira decisão de um torneio organizado pela WTA. Mas, satisfeita com a campanha na competição realizada na capital fluminense, a tenista foi só sorrisos na entrevista coletiva concedida após o jogo.

"Foi uma semana incrível, não tenho do que me queixar. Claro que hoje eu queria ter jogado meu melhor tênis, mas não deu. Ela pressionou o jogo inteiro, e as poucas chances que tive eu não aproveitei", analisou Teliana. "Eu estou sonhando, e não quero que essa derrota estrague tudo o que aconteceu aqui, porque eu estou apaixonada, eu só quero jogar no Brasil agora", afirmou.

A brasileira reconheceu a superioridade da tenista checa, número 35 no ranking mundial e principal cabeça de chave da competição. "Ela está jogando num ritmo acima de todas as outras meninas que eu enfrentei. Acho que eu preciso melhorar isso, preciso jogar o jogo inteiro num ritmo. Ela veio pra cima, eu estava pressionada, em nenhum momento eu me sentia à vontade", considerou.

Para Teliana, o Rio Open servirá para marcar uma nova etapa em sua carreira. "Eu tinha um pouquinho de receio de jogar no Brasil, pelo fato de nunca jogar e não me sentir muito à vontade. Hoje eu quebrei isso e quero que tenha vários torneios no Brasil, porque eu amei. Todo mundo torcendo, (gritando) ''vamos, vamos, guerreira''. Eu simplesmente não tenho do que me queixar. Foi uma semana maravilhosa, que eu não vou esquecer nunca", garantiu.

Segundo a tenista, a chegada às semifinais de um torneio da WTA, etapa que alcançou pela segunda vez na carreira, demonstra que ela segue evoluindo. "Eu cheguei uma vez (às semifinais) ano passado, em Bogotá, e foi incrível. Hoje e nesta semana eu senti que foi uma coisa mais natural. Foi passo a passo, teve a emoção de estar jogando no Brasil, mas o importante foi ter feito essa segunda semifinal para mostrar que é algo natural, que eu não estou sonhando simplesmente, que eu tenho nível para isso", avaliou.

Teliana revelou ainda o desejo de disputar os principais torneios de tênis da temporada. "Meu objetivo é jogar a chave de todos os Grand Slam, o que já seria incrível. Em relação a números, eu tento manter os pés bem no chão. Eu queria terminar entre as 70 melhores, talvez 50 se tudo der certo. O principal é realmente melhorar o meu tênis. Tem muita coisa que eu preciso aperfeiçoar, o saque, a agressividade, então acho que o mais importante é eu, na quadra, me sentir cada dia mais forte".

Tudo o que sabemos sobre:
tênisRio OpenTeliana Pereira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.