Tênis: Puerta é suspenso por oito anos

A confirmação da suspeita de doping durante o torneio de Roland Garros e a suspensão por oito anos, anunciada nesta terça-feira pela ITF (a Federação Internacional de Tênis), determinaram o fim da carreira do tenista argentino Mariano Puerta, aos 27 anos. A punição foi considerada ?exemplar? pelo diário esportivo francês, o L´Equipe, que denunciou o fato em 30 de setembro. Em Buenos Aires, Puerta admitiu, pela primeira vez, o uso da substância proibida, mas deu uma explicação, no mínimo, muito criativa. ?Antes de entrar para a final com Rafael Nadal, bebi um copo d´água em que minha mulher (Sol Estevanez) havia tomado um Effortil, que ela usa quando está muito estressada?. O índice da droga etilefrine, encontrada em seu organismo, foi, porém, considerada excessiva pela comissão antidoping do governo francês, encaminhando os exames para o tribunal da ITF, que determinou a suspensão por oito anos, valendo desde 5 de junho de 2005, dia da final de Roland Garros. A partir desta data, todos os resultados alcançados pelo jogador serão retirados do ranking da ATP e Puerta teria ainda de devolver todo o dinheiro ganho, como 440 mil euros pela campanha em simples do Aberto francês, além de outros 3,2 mil euros nas duplas. Nesse período, faturou ainda outros US$ 330 mil. Esta foi a segunda vez que Puerta foi pego no antidoping. Em 2003, cumpriu suspensão de nove meses por uso de clenbuterol. Ele aumenta também a lista de jogadores argentinos punidos por doping, como Guillermo Cañas, Guillermo Coria, Juan Ignacio Chela e Mariano Hood.

Agencia Estado,

21 de dezembro de 2005 | 12h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.