Tenista Christian Lindell troca Suécia pelo Brasil

A Confederação Brasileira de Tênis concluiu as negociações para que o carioca Christian Lindell passe a defender as cores do Brasil. O tenista de 20 anos vinha representando a Suécia tanto no circuito profissional como na Copa Davis e só nesta quarta-feira é que seu perfil no site oficial da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) passou a descrevê-lo como brasileiro.

AE, Agência Estado

08 de fevereiro de 2012 | 18h30

Christian Lindell treinava na Suécia e defendeu aquele país até o início deste ano. Após se destacar disputando torneios de nível Challenger e Future em 2010, foi convidado a representar o Brasil e ingressar no Projeto Olímpico Rio-2016. O imbróglio, dificultado pela Federação Sueca, só chegou ao fim nesta quarta-feira.

"Agora sim é oficial. A partir dessa semana eu volto a jogar pelo Brasil. Foi uma decisão muito difícil a ser tomada, mas estou muito feliz em poder voltar a defender o Brasil, o país onde moro e minha família vive. Me sinto muito mais brasileiro", comemorou Lindell, no Twitter.

Aos 20 anos, Christian Lindell é considerado pela CBT como "um dos jovens talentosos do tênis brasileiro". Ele teve seu melhor ranking da carreira no ano passado, quando chegou a ser o 288.º do mundo. Nos últimos meses, durante as negociações entre Suécia e Brasil, seu desempenho caiu. Agora ele é o 458.º do ranking.

"Ele já vem participando do Projeto Olímpico e agora, a partir de sexta-feira, vai treinar no Itamirim Tênis Clube, uma das nossas bases, junto ao Patricio Arnold e ao Marcos Daniel. A vinda dele é muito importante, estamos trabalhando vários jogadores ainda. Com esse período de indefinição, ele caiu muito no ranking. Vamos fazer um trabalho para recuperar isso rápido", comenta o presidente da CBT, Jorge Lacerda.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisChristian Lindell

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.