Toru Hanai / Reuters
Toru Hanai / Reuters

Tenistas do Brasil ficam sem vaga direta na chave principal do US Open

Brasileiros também não entraram direto em Wimbledon e Roland Garros

Estadão Conteúdo

18 de julho de 2018 | 18h02

Os tenistas do Brasil não conseguiram vaga direta nas chaves principais de simples do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada. Beatriz Haddad Maia era quem estava mais perto de entrar direto na competição disputada em Nova York, entre os dias 27 de agosto e 9 de setembro, mas vai precisar passar pelo qualifying.

+ Organização do US Open anuncia aumento da premiação a tenistas

+ Thiago Monteiro é eliminado por Carreño Busta nas oitavas na Suécia

Bia caiu no ranking nas últimas semanas por estar sem jogar - e o US Open toma o ranking atualizado nesta segunda-feira como referência para definir sua lista de entradas. A brasileira passou por uma cirurgia nas costas no mês passado e está na reta final de sua preparação para voltar às quadras.

Mas a queda no ranking, para o 119º posto, acabou com as chances de ela entrar direto no US Open. A última tenista a ser aceita de forma direta na chave é a russa Anna Blinkova, atual 101º do mundo. Bia, portanto, terá que disputar o qualifying. O US Open, inclusive, se tornou a referência para o retorno da tenista, que deve disputar um ou dois torneios antes disso, como preparação para o grande evento.

Voltando ao circuito com mais força neste ano, a bielo-russa Victoria Azarenka não conseguiu entrar direto também. Assim como Bia, a ex-número 1 do mundo precisará passar pelas três partida do quali para entrar na chave principal.

Se Bia passou perto da vaga, os brasileiros ficaram mais distantes. No masculino, a linha de corte foi o sérvio Viktor Troicki, atual número 102 do mundo. O ranking desta semana também é referência para a definição da lista de entradas. Rogério Dutra Silva (número 138 do mundo), Thiago Monteiro (145º), Thomaz Bellucci (265º) e Guilherme Clezar (192º) ficaram acima da linha de corte.

Os dois primeiros têm chances de disputar o quali, enquanto Clezar e Bellucci dificilmente vão entrar na competição preliminar. Assim, o Brasil repete Wimbledon e Roland Garros, quando não teve brasileiros entrando direto na competição. Em Paris, Rogerinho chegou a furar o quali, mas em Londres não houve representantes em chaves de simples.

Ainda no masculino, a organização do US Open confirmou a presença de Andy Murray. O escocês vai usar o ranking protegido para entrar direto na chave principal. O ex-número 1 do mundo vem tentando voltar ao circuito nas últimas semanas, sem sucesso. Desde julho do ano passado, ele disputou apenas três jogos, com duas derrotas, em junho. Ele é o atual 839º do ranking.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.