Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Tenistas não vacinados poderão jogar Aberto da Austrália, diz primeiro-ministro

De acordo com o líder político, os atletas precisarão se submeter à quarentena exigida pelo estado de Victoria, onde será realizado o primeiro Grand Slam da temporada

Redação, Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2021 | 23h21

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, afirmou nesta quarta-feira (pelo horário local) que tenistas não vacinados contra a covid-19 poderão disputar o Aberto da Austrália, em janeiro, em Melbourne. De acordo com o líder político, os atletas precisarão se submeter à quarentena exigida pelo estado de Victoria, onde será realizado o primeiro Grand Slam da temporada.

"Todas as regras devem ser aplicadas a todos. Independente se você é um campeão de Grand Slam, primeiro-ministro ou um empresário em viagem de trabalho ou um estudante. Mesmas regras. Os estados vão definir suas regras de quarentena, como já estão fazendo", declarou Morrison à imprensa australiana.

As declarações do primeiro-ministro contradizem integrantes do próprio governo. Na semana passada, o ministro da imigração, Alex Hawke, afirmou que tenistas que não completaram a vacinação contra a covid-19 não poderão entrar no país. Um dia antes, o governador do estado de Victoria, Daniel Andrews, afirmara que atletas sem a vacina não poderão disputar o Aberto da Austrália, o primeiro Grand Slam da temporada.

As declarações de Hawke e Andrews atingiram em cheio o sérvio Novak Djokovic, que adotou posturas negacionistas desde o início da pandemia. Ele já se disse contra vacinas em geral e afirmou que não pretende afirmar publicamente se tomou o imunizante contra a covid-19. Com esta restrição, o Aberto da Austrália não teria o número 1 do mundo e quase metade do Top 100 do ranking, tanto do masculino quanto do feminino.

Nesta quarta, as declarações do primeiro-ministro australiano trouxeram alívio para os tenistas e confirmaram o que o jornal The New York Times publicou no começo da semana. O veículo teve acesso a um e-mail da WTA enviada para todas as jogadoras. O documento diz que as atletas que não estiverem vacinadas poderão chegar ao país e jogar o torneio, mas estarão sujeitas a uma rígida quarentena.

Com esta decisão, os tenistas serão divididos em dois grupos em Melbourne. Aqueles com vacinação completa poderão circular livremente pelo torneio e pela cidade. Os demais terão que ficar em hotel específico, dentro de "bolhas" na competição, possivelmente sem a mesma liberdade para circulação e treinos, o que poderá gerar críticas e reclamações à organização do Grand Slam.

Djokovic não declarou se pretende competir em Melbourne mesmo com as restrições impostas pelo governo estadual. Recordista de títulos na Austrália, com nove troféus, ele poderá se tornar o maior vencedor de Grand Slams se vencer em solo australiano pela 10ª vez, alcançando o 21º título deste nível, superando o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal, ambos com 20 troféus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.