Kirsty Wigglesworth / AP
Kirsty Wigglesworth / AP

Thiago Monteiro é derrotado por canadense e cai logo na estreia em Wimbledon

Brasileiro perde para Felix Auger-Aliassime, cabeça 16, por 3 sets a 0 - com um triplo 6/3, após 2 horas e 10 minutos

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2021 | 14h23

A chuva que caiu em Londres nos dois últimos dias, que atrapalhou a programação dos jogos de Wimbledon, propiciaram ao brasileiro Thiago Monteiro um pouco mais de tempo de preparação para a disputa do Grand Slam em quadras de grama. Nesta quarta-feira, com o tempo firme, o tenista número 1 do Brasil e 81 do mundo entrou em quadra, mas foi facilmente eliminado pelo canadense Felix Auger-Aliassime, cabeça 16, por 3 sets a 0 - com um triplo 6/3, após 2 horas e 10 minutos.

Este foi o segundo confronto entre Monteiro e Aliassime no circuito profissional. O primeiro foi na estreia do US Open do ano passado, quando o canadense também venceu, mas por 3 sets a 1, nas quadras rápidas de Nova York. Assim, o Brasil fica sem representantes na chave de simples do terceiro Grand Slam do ano.

Algoz do suíço Roger Federer há duas semanas no ATP 500 de Halle, na Alemanha, o canadense está apenas em sua segunda aparição em Wimbledon, onde foi até a terceira rodada em 2019. Para ao menos repetir o seu último resultado, terá que superar o sueco Mikael Ymer, que ganhou do experiente francês Jo-Wilfried Tsonga em jogo de duas viradas e placar final de 3 sets a 2 - parciais de 7/5, 6/7 (4/7), 5/7, 6/4 e 6/3.

Diferente do que fez no encontro que tiveram no US Open do ano passado, Monteiro desta vez pouco conseguiu incomodar o adversário, que foi muito agressivo e consistente, errando pouco. Aliassime terminou a partida com 29 bolas vencedoras e apenas 20 erros não forçados, contra 24 winners do brasileiro e 40 erros não forçados.

Mas Monteiro ainda segue em Wimbledon para a disputa da chave de duplas masculinas. Ele fará parceria com o compatriota Rafael Matos, que fará a sua estreia em Grand Slam. Eles conseguiram a vaga após desistência de outra parceria.

Além disso, o Brasil ainda tem mais quatro representantes nas duplas, que ainda farão suas estreias. A paulista Luisa Stefani, retornando ao circuito profissional após uma cirurgia no apêndice, os mineiros Marcelo Melo e Bruno Soares, confirmados nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, e o gaúcho Marcelo Demoliner.

A chave de duplas mistas em Wimbledon também terá brasileiros. Stefani e Demoliner jogarão juntos nas quadras de grama em Londres. A estreia será contra o australiano Matt Reid e a estoniana Anett Kontaveit. Em caso de vitória na primeira rodada, a paulista enfrentará a sua parceira habitual no circuito de duplas femininas, a americana Hayley Carter, que é cabeça 13 ao lado do belga Sander Gille.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.